Investigado por corrupção na Saúde, Witzel pede ao STJ para depor à PF

O governador foi alvo de mandado de busca e apreensão e teve três celulares e três computadores levados pela Polícia Federal

Da CNN
29 de maio de 2020 às 13:29

O governador do Rio, Wilson Witzel, em evento

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Os advogados do governador do Rio, Wilson Witzel, entraram com um pedido no Superior Tribunal de Justiça (STJ), na noite desta quinta-feira (28), pelo qual solicitam o agendamento do depoimento do mandatário fluminense. Ao autorizar a operação da última terça-feira, (26) o ministro Benedito Gonçalves determinou a "oitiva imediata" de Witzel, mas ela depende de intimação da Polícia Federal.

"Os advogados do requerente passaram o dia (quinta-feira, 28) tentando estabelecer contato com a d. Autoridade Policial, por meio de telefone e e-mail, para ajustar dia e hora para seu depoimento. Como o contato não foi possível, serve a presente para ratificar que o requerente segue à disposição da Autoridade Policial (…)", escreve a defesa no pedido.

O governador foi alvo de mandado de busca e apreensão e teve três celulares e três computadores levados pela PF. A investigação apura a suposta relação de Witzel com o esquema de corrupção na Saúde em meio à pandemia.

Leia mais:

Witzel diz que operação da PF da qual foi alvo teve base em 'suposições'

Partido de Crivella e filhos de Bolsonaro deixa base de apoio a Witzel no RJ

Justiça bloqueia R$ 334,5 milhões de empresa que contratou esposa de Witzel

Em meio ao cenário de preocupação jurídica, o governador vive também uma crise política. Ele exonerou na noite desta quinta-feira os secretários André Moura, de Casa Civil, e Luiz Cláudio Rodrigues de Carvalho, da Fazenda. Ambos eram tidos como adversários internos do secretário de Desenvolvimento Econômico, Lucas Tristão. Na esteira desse movimento, o líder do governo na Assembleia Legislativa, Márcio Pacheco (PSC), entregou o cargo.