Abordagens violentas da PM de São Paulo preocupam autoridades e especialistas


Bruno Oliveira, Isabella Faria, Mariana Vasques e Paula Forster da CNN, em São Paulo
22 de junho de 2020 às 21:30
Vídeo mostra policiais agredindo jovem durante abordagem em SP

Vídeo mostra policiais agredindo jovem durante abordagem em SP

Foto: CNN (22.jun.2020)

No último domingo (21), um vídeo de uma ação policial que ocorreu em Carapicuíba, na região metropolitana de São Paulo, começou a circular nas redes sociais. Nas imagens é possível ver que o jovem Gabriel, de 19 anos, desmaia depois de ter o peito pressionado por alguns minutos pelo joelho de um policial militar. Em outro momento, outro agente dá um mata leão no jovem, que desmaia novamente. Na sequência, ainda desacordado, o jovem é colocado dentro da viatura. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, o jovem pilotava uma moto e teria desobedecido a ordem de parada e colidido na viatura policial.

Outro caso recente envolvendo violência policial aconteceu em Barueri, no dia 12 de junho. Três homens negros foram agredidos, um deles teria se rendido e os outros dois eram moradores da região que tentavam impedir as agressões. Segundo a PM, eles foram chamados para apurar uma denúncia de compra e venda de entorpecentes.

Leia também:

'Pedi socorro e desmaiei', diz jovem sufocado por PM em abordagem na Grande SP

'PM precisa rever ação na periferia e ser mais acolhedora', diz ex-comandante

Dois dias depois, na madrugada do dia 14 de junho, um adolescente de apenas 15 anos foi encontrado morto em Americanópolis, na zona sul de São Paulo. Um sargento da PM está preso suspeito de ter participado no assassinato de Guilherme.

Na ocasião, João Dória usou o Twitter para comentar o caso, ele escreveu “Absolutamente condenável as atitudes dos policiais militares que abusaram da força, em duas ações policiais, uma na capital e outra em Barueri. Os policiais envolvidos foram afastados e serão submetidos a inquérito. O Governo de SP não compactua com qualquer tipo de violência.

Todas estas abordagens policiais foram registradas em vídeo e compartilhadas nas redes sociais. De acordo com a ouvidoria da Polícia Militar, somente entre os meses de janeiro e abril de 2020, cerca de 256 denúncias de lesão corporal e abuso de autoridade dos agentes de polícia foram recebidas.

Agora, o que os especialistas discutem é como prevenir esse tipo de abordagem.

Prevenção da violência

Melina Risso, diretora de programas do Instituto Igarapé, diz que movimentações e denúncias em relação à violência policial sempre existiram por parte das comunidades, mas agora estão mais inflamadas. “Por conta do caso ”George Floyd”, a população brasileira está com um olhar mais aguçado para esse tipo de episódio.”, diz, “  A pergunta é: precisamos fazer esse número tão grande de abordagens? Não é uma prática invasiva que não necessariamente previne o crime?”.

O ex-ouvidor das polícias de São Paulo e especialista em segurança pública. Benedito Mariano, reforça esse posicionamento e diz que abordagens agressivas não são exceções; elas acontecem sistematicamente nas comunidades periféricas. Ele também comenta que o treinamento dos agentes deve ser modificado. “Eu sugiro que tenha uma disciplina permanente na Polícia Militar relacionada à estereótipos de suspeitos e discriminação social e racial e que todos os casos relacionados a abusos de autoridade e mortes por parte de agentes sejam centrados no órgão corregedor da Polícia Militar e não nos batalhões”. Benedito Mariano, diz, também, que apenas 3% desses tipos de episódios são investigados pela ouvidoria.

O Governador de São Paulo, João Dória, disse nesta segunda-feira (22) que solicitou um novo treinamento que deve ser aplicado nos oficiais e sargentos da Polícia Militar ainda no mês de julho.

Em nota enviada à CNN, a Secretaria e Segurança Pública disse que analisa o caso que aconteceu no último domingo (21) em Carapicuíba e que os policiais foram afastados preventivamente e cumprem serviços administrativos durante a investigação.