Ibama multa em R$ 78 mil estudante picado por cobra naja no DF e família dele

Além de Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul e da família, um amigo do estudante também foi multado em mais de R$ 81 mil

Da CNN
17 de julho de 2020 às 16:05 | Atualizado 17 de julho de 2020 às 16:16

O estudante de veterinária Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, que foi picado pela cobra naja que ele criava ilegalmente, e a família dele foram multados em R$ 78 mil pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). 

Na quinta-feira (16), a Polícia Civil do Distrito Federal cumpriu quatro mandados de busca e apreensão na casa do estudante – em uma ação que fez parte da segunda fase da Operação Snake.

Foram apreendidos diversos documentos, celulares, medicamentos de uso veterinário, outra serpente e vários objetos utilizados na criação ilegal de animais silvestres e exóticos.

Multados em R$ 8,5 mil cada por terem dificultado o resgate da cobra, o padrasto e a mãe do estudante prestaram depoimento à Polícia Civil durante cerca de quatro horas, ainda na quinta.

Leia também:

Casa de estudante de veterinária picado por naja é alvo de busca da polícia
Polícia vê indícios de tráfico de animais no caso de estudante picado por naja
Estudante picado por cobra naja no Distrito Federal recebe alta

Com atestado médico de dez dias, Pedro Henrique deve depor após o fim do período do documento. A multa para o jovem foi de R$ 61 mil por maus-tratos e por manter serpentes exóticas em cativeiro. 

Além da família, um amigo do estudante também foi multado em mais de R$ 81 mil pelos mesmos motivos, além de ter dificultado a ação de resgate do animal.

De acordo com apuração preliminar, os animais teriam sido deixados no apartamento pelo amigo do jovem. O estudante chegou a entrar em coma depois da picada venenosa do animal, mas se recuperou e teve alta na segunda-feira (13).

O depoimento dele é considerado peça-chave para elucidar a suspeita sobre uma rede de tráfico de animais silvestres - por meio da qual ele teria obtido o réptil venenoso, que é originário da Ásia e Sul da África. Até o momento, foram apreendidas 16 cobras, sendo que dez delas não são nativas do Brasil.