Influenciador Felipe Neto é alvo de ataques em frente à sua casa no Rio


Renan Fiuza Da CNN, em São Paulo
31 de julho de 2020 às 18:41 | Atualizado 02 de agosto de 2020 às 09:43

O influenciador digital Felipe Neto, que tem mais de 60 milhões de seguidores nas redes sociais, foi alvo ae ameaças em frente à sua casa, no Rio De Janeiro.

Um homem identificado nas redes sociais como Cavalieri, o "guerreiro de Bolsonaro", foi até a casa do influencer com um carro de som. "Eu te chamei para o debate. Eu tô na porta da tua casa. Cadê você, Felipe Neto?", gritava. "Que moral Felipe Neto tem? Pra falar o Quê? Tá tudo errado. Viva o Brasil, viva a democracia!", continuou.

O caso aconteceu na última quarta-feira (29), no Rio De Janeiro. O homem também foi visto em vídeos durante o ataque com fogos de artifício ao Supremo Tribunal Federal, em Brasília, em junho.

Há duas semanas, Felipe Neto teve um vídeo em inglês publicado no portal do jornal americano "The New York Times". Nele, o influenciador chama Jair Bolsonaro de "o pior presidente do mundo" no que se refere ao combate à Covid-19.

Leia também:

O Grande Debate: as redes sociais devem ser controladas?
Dúvida é como conter a sociedade nas redes sociais sem ser tirano, diz jurista
Redes sociais e política: o que esperar do cenário eleitoral americano em 2020

Depois do episódio, Felipe Neto virou alvo constante de ataques nas redes sociais. Circulam notícias falsas e montagens, inclusive com apologia à pedofilia.

Nesta semana, entidades como a Associação Brasileira De Imprensa assinaram uma carta de defesa à liberdade de expressão.

"As pessoas que têm uma reputação pública, que vão construindo algo no decorrer de muitos anos, como no campo do entretenimento e passam a falar de política... Essa Reputação Pode Ser Destruída Em Um Golpe", diz o professor Pablo Ortellado, da Universidade de São Paulo (USP).

Especialistas ouvidos pela CNN avaliam que ataques deixaram a esfera virtual e ganharam as ruas no início desta década. A evolução da tecnologia e o crescimento das redes sociais criaram as chamadas milícias digitais, grupos responsáveis por ataques organizados contra pessoas consideradas inimigas.

"Estamos vivendo no Brasil um momento de muita turbulência e politização, então tudo que se fala nas redes sociais é levado para um lado ou para o outro, e isso inflama as pessoas e os comportamentos acabam extrapolando", afirma o professor Marcelo Crespo, advogado especialista em direito digital.

Felipe Neto é apenas um dos casos de personalidades das redes sociais cujos posts tiveram desdobramentos na vida offline.

Ele é um dos maiores influenciadores digitais do país. Só no YouTube, tem quase 40 milhões de inscritos e mais de dez bilhões de visualizações acumuladas.

Há 10 anos, ele fazia críticas ao comportamento da sociedade, com foco no público jovem. Com o tempo, Felipe Neto ganhou espaço explorando outros temas, como videogames e variedades.

Nos últimos anos, passou a fazer comentários políticos. Foi um dos críticos do governo da presidente Dilma Rousseff (PT) e hoje faz o mesmo em relação ao governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

O jeito ácido e irônico de Felipe despertou atitudes como a dessa semana.

"[Sobre] Esses ataques, tem que procurar a polícia. O Marco Civil da Internet estabelece a guarda de dados de conexão. Você tem que fazer a denúncia, que vai entrar com uma ordem judicial para a quebra da identidade", diz Pablo Ortellado.

Militante bolsonarista protesta na casa de Felipe Neto (31.jul.2020)

Militante bolsonarista protesta na casa de Felipe Neto (31.jul.2020)

Foto: CNN Brasil