Escassez de cilindros de oxigênio afeta Campos dos Goytacazes, no Rio

A prefeitura publicou decreto solicitando a devolução dos equipamentos que não estavam em uso na casa de pacientes

Cleber Rodrigues e Stéfano Salles, da CNN, no Rio de Janeiro
07 de abril de 2021 às 08:58 | Atualizado 07 de abril de 2021 às 09:02
Oxigênio
Cilindros de oxigênio
Foto: Reprodução/CNN

Na cidade mais populosa do interior do Rio de Janeiro, Campos dos Goytacazes, já há pacientes dividindo cilindros de oxigênio e respiradores, devido ao excesso de demanda provocado pela Covid-19.

A diretora do Centro de Combate e Controle do Coronavírus (CCCC), Patrícia Meirelles descreveu a situação do município durante uma reunião do Comitê de Crise, nesta segunda-feira (5), em vídeo obtido pela CNN. 

“Fui eu que instalei todos os fluxômetros daquela unidade, com as minhas próprias mãos, para ter certeza que a gente não iria ter vazamento de oxigênio, que a gente teria oferta adequada para todos. Hoje eu não tenho o que fazer. Eu tenho paciente dividindo cilindro de oxigênio na emergência, eu tenho paciente dividindo respirador. Se nada for feito, a gente não tem mais o que fazer, a não ser esperar o óbito de uma grande parte da população”, afirmou. 

Outras fontes ouvidas pela reportagem reforçaram que o problema na cidade não é de falta de oxigênio, mas de cilindros para armazenagem do produto.

Nesta segunda-feira, a prefeitura da cidade de 500 mil habitantes determinou, por meio de decreto, que sejam devolvidos os cilindros de oxigênio excedentes, que estavam nas residências dos pacientes. De acordo com o município, seriam 30.  

Equipe médica cuida de pacientes em área de emergência de hospital
Equipe médica cuida de pacientes em área de emergência de hospital
Foto: Diego Vara/Reuters

De acordo com o Painel Coronavírus Covid-19, a taxa de ocupação de leitos de terapia intensiva em Campos dos Goytacazes é de 92%. Na enfermaria, a procura é maior: são 96% de ocupação.

Nesta terça-feira (6), a cidade adotou medidas restritivas mais severas para conter a pandemia, como a implementação de barreiras. 

Procurada, a Secretaria Municipal de Saúde de Campos dos Goytacazes limitou-se a responder que os cilindros que não estavam em uso foram encaminhados para a empresa responsável, que os enviará para a Unidade Pré-Hospitalar São José. 

A pasta destacou ainda que, com o aumento dos casos de Covid-19 e internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave, a ocupação de leitos hospitalares está em 100%, em dados do controle municipal, e que a região Norte Fluminense está classificada como de bandeira roxa, de risco mais alto para a doença.