Conass pede quarentena a passageiros de países com prevalência de variantes

Conselho de secretários estaduais de Saúde pediu também maior agilidade na compra de testes de antígenos

Tainá Falcão, da CNN, em São Paulo
04 de maio de 2021 às 16:38 | Atualizado 04 de maio de 2021 às 17:00
Aeroportos devem ter quase 2 milhões de passageiros no Natal de 2020
Conselho pediu quarentena a passageiros vindos de países com alta prevalência de variantes
Foto: Reprodução / CNN

Em ofício enviado ao Ministério da Saúde nesta terça-feira (4), o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) sugere uma série de medidas para evitar a propagação de novas variantes da Covid-19 no Brasil.

Entre as solicitações está a adoção obrigatória de quarentena de 14 dias para passageiros vindos de países com alta prevalência de variantes - a exemplo da Índia, que vive uma explosão de casos e chegou a registrar mais de 400 mil infecções em apenas um dia.

O conselho pede ainda maior articulação com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) com o intuito de aumentar o rigor no sistema de vigilância sanitária de portos, aeroportos e fronteiras.

“O Brasil não aguentaria uma terceira onda, viria como um tsunami dessa vez”, disse Carlos Lula, presidente do Conass.

O conselho pediu também maior agilidade na compra de testes de antígenos. A aquisição dos testes, segundo documento, foi solicitada “reiteradas vezes” a pasta.

A carta ainda menciona a necessidade de ampliação da Rede Nacional de Vigilância Genômica, que investiga mutações e diferentes linhagens do novo coronavírus.

“A gente faz testes para saber das novas variantes e não tem resposta. A gente fica no escuro. Na verdade é a capacidade reduzida dos laboratórios da Fiocruz em dar resposta num período mais curto. Demora três, quatro, cinco meses pra gente ter resposta sobre a variante que está circulando”, completou Lula.