Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Anastácio: Liberação do uso de máscaras só deve ocorrer com aval da ciência

    No quadro Liberdade de Opinião desta quinta-feira (23), Thiago Anastácio comentou sobre a desobrigação do acessório de proteção individual

    Tamara Nassif*da CNN* em São Paulo

    No quadro Liberdade de Opinião desta quinta-feira (23), o comentarista Thiago Anastácio falou sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras no Brasil, partindo de uma pesquisa feita pelo Instituto Datafolha nesta semana.

    Segundo o levantamento, 48% dos brasileiros entendem que o acessório deve continuar obrigatório em todos os espaços. Para 44%, o item só deve ser exigido em ambientes fechados, enquanto 8%, por outro lado, defendem a desobrigação total do acessório.

    Para Anastácio, a conduta da população em relação ao uso de máscaras deve estar alinhada à recomendação de especialistas. “Eu não acho nada, tampouco devo achar. O que médicos e infectologistas aconselharem é o que nós devemos fazer”, disse o comentarista.

    “O que tenho seguido é a orientação da ciência. Temos uma nova variante, que, apesar de ser menos grave, é mais transmissível. Todos os órgãos sanitários do mundo dizem que devemos continuar usando máscaras, então é isso que nos cabe fazer”, argumentou.

    Anastácio ainda fez uma comparação: opinar sobre o uso de máscaras, enquanto não-especialista, é como fazer uma crítica literária de um livro que não foi lido.

    “É claro que gostaríamos de estar sem máscaras, ainda mais em período de festas e de calor danado. Mas, infelizmente, não tivemos organização e orientação do poder público, nem consciência solidária para que vacinássemos os países pobres, de onde saíram as variantes Ômicron e Delta.”

    O Liberdade de Opinião teve a participação de Thiago Anastácio e Ricardo Baronovsky. O quadro vai ao ar diariamente na CNN.

    As opiniões expressas nesta publicação não refletem, necessariamente, o posicionamento da CNN ou seus funcionários.

    *Sob supervisão de João Guimarães.