Área onde desapareceram jornalista e indigenista é 2ª com mais inquéritos por garimpo ilegal

Tabatinga foi a segunda cidade na qual a Polícia Federal mais instaurou inquéritos policiais pelo crime no estado do Amazonas na última década

Beatriz AraújoJosé BritoVital Netoda CNN

Ouvir notícia

Tabatinga, município do Amazonas na região da tríplice fronteira onde desapareceram o jornalista inglês Dom Phillips e o indigenista Bruno Araújo Pereira, foi a segunda cidade na qual a Polícia Federal mais instaurou inquéritos policiais (IPL) por garimpo ilegal no estado do Amazonas na última década, segundo dados obtidos pela CNN via Lei de Acesso à Informação (LAI).

De acordo com a União das Organizações Indígenas do Vale do Javari (Univaja). Phillips estava indo para uma localidade, chamada Lago do Jaburu, para entrevistar indígenas e Pereira o acompanhava. De acordo com as entidades, o indigenista é alvo de ameaças de madeireiros e garimpeiros que tentam invadir terras indígenas na região.

Ao todo, o município foi local de 18 possíveis crimes investigados e só fica atrás de Manaus, que teve 76 no mesmo período. O Amazonas, por sua vez, é o terceiro estado que mais registra inquéritos no norte do país – segunda região com mais registros – atrás apenas do Sudeste, onde fica Minas Gerais, o estado com mais inquéritos instaurados.

Em Atalaia do Norte (AM), cidade para a qual o jornalista e o indigenista se encaminhavam quando desapareceram, a PF registrou três IPL. A primeira delas foi registrada em 2014, a segunda em 2020 e a última no ano passado.

Outros dois municípios da região no entorno de Atalaia do Norte tiveram registros de ocorrências da Polícia Federal no período: Benjamin Constant, uma vez em 2015, e São Paulo de Olivença, que teve sete registros – seis em 2013 e um em 2014.

Operações no Amazonas

A Polícia Federal também informou ter organizado oito operações para combater garimpeiros ilegais no estado, entre 2015 e 2021 – uma delas, em 2018, ocorreu na cidade de Tabatinga.

Mais Recentes da CNN