Câmara aprova antecipação e SP terá ‘megaferiadão’ de cinco dias

Pela proposta, São Paulo terá um megaferiadão de cinco dias a partir desta quarta-feira (20), com a celebração de Corpus Christi e Dia da Consciência Negra

Monumento às Bandeiras, na zona sul de São Paulo, com máscaras de proteção em alusão ao combate ao coronavírus
Monumento às Bandeiras, na zona sul de São Paulo, com máscaras de proteção em alusão ao combate ao coronavírus Foto: Felipe Rau/Estadão Conteúdo (12.mai.2020)

Ouvir notícia

A antecipação dos feriados proposta pelo prefeito Bruno Covas (PSDB) e pelo governador João Doria (PSDB) foi aprovada pela Câmara Municipal de São Paulo nesta segunda-feira (18). A medida visa aumentar o índice de isolamento social na cidade, que registra números menores em dias úteis.

Para o projeto passar na Câmara, eram necessários 28 votos a favor. O placar final foi de 34 a 12. O aval da Câmara segue para sanção do prefeito e publicação no Diário Oficial nesta terça-feira (19).

Leia também:

Bruno Covas assina decreto de feriados antecipados em São Paulo

Prefeito de São Sebastião ameaça liberar praias se houver megaferiado

Com a aprovação, São Paulo terá um ‘megaferiadão’ de cinco dias a partir desta quarta-feira (20), com a celebração de Corpus Christi, dia da Consciência Negra e ponto facultativo em seguida. 

O feriado pode ser ainda maior, caso os deputados da Alesp (Assembleia Legislativa do Estado) aprovem a antecipação do feriado de 9 de julho, dia da Revolução Constitucionalista, para a próxima segunda (25). O pedido deve ser avaliado pelos deputados nesta terça-feira (19), para votação até quinta-feira (21).

Bloqueio nas estradas

Em entrevista coletiva, o prefeito Bruno Covas disse ter relatado ao governador a preocupação de que as pessoas viajem para as praias paulistas durante o feriado. 

Segundo ele, Doria está conversando com os prefeitos e secretários de transporte e saúde das cidades litorâneas para tomar uma decisão. Uma das possibilidades seria um bloqueio nas estradas.

Mais Recentes da CNN