Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Cataratas do Iguaçu estão com vazão de mais de 24 milhões de litros por segundo

    Esta é a maior vazão dos últimos anos; normal é de 1 milhão e 500 mil litros por segundo

    Isadora Airesda CNN

    Porto Alegre

    As Cataratas do Iguaçu, em Foz do Iguaçu, no Paraná, estão com vazão de 24 milhões e 200 mil litros de água por segundo na manhã desta segunda (30). Segundo a administração do Parque Nacional do Iguaçu, essa é o maior número registrado nos últimos anos.

    Por medida de segurança, a passarela que dá acesso ao mirante da Garganta do Diabo está fechada desde a manhã do domingo (29). A liberação da passarela está condicionada a diminuição da vazão, que precisa baixar para uma média de 7 a 8 milhões de litros por segundo e não apresentar previsão de alta.

    A vazão normal das Cataratas do Iguaçu é de 1,5 milhão de litros por segundo. Portanto, o número registrado na manhã desta segunda está 15 vezes acima do comum.

    Em todo Paraná, 54 municípios tiveram alguma ocorrência relacionada à chuva. Mais de 65 mil pessoas foram afetadas de alguma forma e 764 continuam desabrigadas no estado.

    Os conceitos de desabrigado e desalojado são diferentes. Desabrigado é aquele que perdeu a casa e está em um abrigo público. O desalojado teve de deixar sua casa — não necessariamente a perdeu — e não está em abrigos, mas sim na casa de um parente, amigo ou conhecido, por exemplo.

    Para esta segunda-feira, um alerta do Instituto Nacional de Meteorologia chama atenção para todo estado paranaense, Santa Catarina e norte do Rio Grande do Sul. Até o fim do dia, são esperados até 100 mm de chuva, ventos intensos de até 100 km/h e eventual queda de granizo.

    Há risco de corte de energia elétrica, estragos em plantações, queda de árvores e alagamentos. Para o Climatempo, a previsão é de que as chuvas cessem na região Sul apenas no próximo sábado (4), quando o ciclone extratropical que se formou na costa começa a se afastar.

    Veja também: Rios do Amazonas registram novas mínimas históricas