Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ciclone extratropical: veja as regiões que podem ser afetadas

    Sistema se formará nesta sexta-feira no oceano, entre o Rio Grande do Sul e o Uruguai; efeitos devem ser sentidos até em Goiás

    Flávio Ismerimda CNN

    São Paulo

    Um novo ciclone extratropical se formará no Sul do país na sexta-feira (18) e provocará a queda da temperatura, segundo institutos de meteorologia.

    A previsão é de que o ciclone se forme na região costeira, entre o Rio Grande do Sul e o Uruguai. A expectativa é de que esse ciclone seja mais fraco do que os sistemas que atingiram a região em julho, conforme afirmou a meteorologia da Climatempo Maria Clara Sassaki em entrevista à CNN.

    “Esse é menos intenso do que os que passaram no mês de julho, mas é preocupante porque ainda temos cidades que foram afetadas pelas tempestades anteriores e estão se recuperando. Qualquer chuva de moderada a forte intensidade traz preocupação, traz alerta, especialmente no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina”, explicou.

    Veja as regiões que podem ser afetadas pelo novo ciclone extratropical:

    • Região Sul

    Segundo Sassaki, a região mais afetada pelo ciclone extratropical deve ser o Sul do Brasil. Como a área já está sendo atingida por uma frente fria que passa pelo oceano, o sistema deve ganhar força e o surgimento de novas instabilidades deve ser favorecido.

    “Quando o ciclone passar, ele já vai ter combustível, já vai ter nuvens de tempestade sobre o Rio Grande do Sul, o que acaba favorecendo novas instabilidades. Já tem chuva hoje e, quando o ciclone passar, entre sexta e sábado, vai ter mais chuva”, afirmou a meteorologista.

    Como o ciclone se formará no mar, a faixa litorânea deve ser mais atingida, onde são esperadas chuvas, trovoadas e ventanias entre sexta e sábado (19).

    “Velocidades maiores de vento vão acontecer em alto mar, por isso o mar deve ficar mais agitado nos próximos dias”, explica.

    Climatempo alerta para risco de temporais no Sul nesta quinta-feira (17) / Reprodução CNN
    • Região Sudeste

    Os efeitos do ciclone extratropical devem chegar ao Sudeste no sábado, quando uma frente fria se forma a partir do ciclone e avança sobre a região. Deve chover na faixa que vai do norte do Rio Grande do Sul até a divisa de São Paulo com o Paraná.

    Além da forte chuva, o sistema provocará também ventos de até 60 km/h na região Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais (porção sul e Triângulo Mineiro),

    Na faixa litorânea que se estende do Rio Grande do Sul até a Costa Verde, no Rio de Janeiro, as rajadas podem chegar aos 80 km/h.

    • Região Centro-Oeste

    A porção sul do Mato Grosso do Sul deve ser alvo de chuvas com risco de temporais já na sexta-feira. No sábado, deve chover em grande parte do estado.

    Os efeitos do ciclone extratropical também devem ser sentidos no sul do Mato Grosso e no sul de Goiás, onde os ventos podem chegar a até 60 km/h.

    Vídeo — Entenda como se comporta um ciclone extratropical

     

    Ciclones estão mais frequentes?

    A frequência de formação dos ciclones extratropicais não está acima do normal, conforme explicou a meteorologia Maria Clara Sassaki à CNN. Segundo a especialistas, o que mudou foi a intensidade dos sistemas.

    “As águas dos oceanos estão mais quentes do que o normal e isso aumenta a intensidade dos ciclones extratropicais, por isso a gente tem chamado a atenção para esses sistemas que vem com rajadas de vento acima do normal, tempestades muito próximas umas das outras. A água mais quente serve de combustível para que essas áreas de baixa pressão ganhem intensidade”, explicou.

    Veja impactos do ciclone extratropical que atingiu o Sul em julho

    Entrevista produzida por Manoela Carlucci