Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Plural

    Entenda o que é viés inconsciente e como ele ajuda a manter o racismo estrutural

    À CNN Rádio, diretor do Instituto Luiz Gama explica que a discriminação acompanha os negros de forma perene e resulta na exclusão desses profissionais do mercado

    50° Marcha da Consciência Negra em São Paulo no dia 20 de novembro de 2021
    50° Marcha da Consciência Negra em São Paulo no dia 20 de novembro de 2021 Foto: ISABELLA FINHOLDT/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

    Amanda GarciaLetícia VidicaTalita Amaralda CNN

    em São Paulo

    O diretor do Instituo Luiz Gama, Julio Cesar Santos, em entrevista à CNN Rádio no CNN No Plural, explicou o que é o viés inconsciente e como ele atua para manter o racismo estrutural no Brasil.

    Esse viés é um mecanismo de preconceitos baseado em crenças, costumes, referências e experiências de vida.

    Segundo ele, “todos os cidadãos brasileiros, independentemente da visão de mundo, raça ou orientação política, acabam influenciados pelo racismo estrutural, seja ativamente ou passivamente e automaticamente pelo viés inconsciente.”

    O advogado afirma que isso acontece porque “vivemos em uma sociedade construída com pilares econômicos, sociais e políticos, que necessitam manter o racismo e as demais discriminações para subsidiar privilégios de determinadas classes sociais.”

    Julio Cesar ainda fez uma provocação: “Ao longo da nossa vida, seja nas experiências familiares, entre amigos, campanhas publicitárias, nos ensinam referências a serem seguidas. A pergunta que fica é: o que acontece com quem não se encaixa?”

    De acordo com o especialista, há intersecções dentro dos grupos negros, de gênero, orientação sexual, crença religiosa, que integram esse viés inconsciente discriminatórios.

    “Quando falamos desses eixos, isso acaba afetando os profissionais e a própria estrutura profissional, é uma crença equivocada que acompanha os negros de forma perene e resulta na exclusão desses profissionais do mercado de trabalho e encarceramento.”