Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Homem é baleado pela própria arma durante ressonância magnética em São Paulo

    De acordo com informações do boletim de ocorrência, a vítima acompanhava sua mãe durante a realização do exame

    Armas de fogo
    Armas de fogo Foto: Getty Images

    Beatriz GabrieleCarolina FigueiredoGabriel Fernedada CNN

    em São Paulo

    Um homem de 40 anos de idade foi baleado nesta quarta-feira (18), em São Paulo, pela sua própria pistola, durante uma ressonância magnética.

    De acordo com informações do boletim de ocorrência, a vítima acompanhava sua mãe durante a realização de um exame.

    Durante o exame, o magnetismo puxou a arma que estava na cintura dele e deu um disparo na região do abdômen. O caso aconteceu Avenida Brigadeiro Luís Antônio, na região central de São Paulo, por volta de 16h30.

    Segundo a Polícia Civil, ele havia assinado um termo de contraindicação de campo magnético para os acompanhantes.

    O homem foi levado para o Hospital São Luiz, onde permanece internado.

    O caso foi registrado como disparo de arma de fogo pelo 14º Distrito Policial, que requisitou perícia técnica ao Instituto de Criminalística.

    “Arma não foi mencionada”, diz laboratório

    O CURA grupo se pronunciou nesta quinta-feira (19) sobre o caso que aconteceu em seu laboratório nos Jardins, em São Paulo, e afirmou que a paciente e o acompanhante tinham sido orientados sobre a retirada de objetos metálicos.

    “Reforçamos que todos os protocolos de prevenção de acidentes foram seguidos pelo time do CURA, como é de praxe em todas as unidades”, disse em nota.

    “Tanto a paciente como o acompanhante foram devidamente orientados quanto aos procedimentos para acesso à sala de exame e alertados sobre a retirada de todo e qualquer objeto metálico. Ambos assinaram termo de ciência com relação a essa orientação”, acrescentou.

    Segundo o CURA, “mesmo diante dessas orientações, a arma de fogo não foi mencionada pelo acompanhante, que entrou com o objeto na sala de exame por sua decisão”.

    O grupo ainda afirmou que o advogado e sua mãe estão recebendo assessoria e acompanhamento, e o laboratório está colaborando com a investigação da polícia.