Manaus libera academias e outros serviços em meio à lotação de UTIs

Academias podem funcionar por seis horas com o limite da capacidade; UTIs do SUS para Covid-19 na cidade estão 86% ocupadas

Paciente com Covid-19 recebe atendimento médico em Manaus
Paciente com Covid-19 recebe atendimento médico em Manaus Foto: Sandro Pereira/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Luana Franzão*,

da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Na segunda-feira, 1 de março, o estado do Amazonas liberou a abertura de academias e serviços semelhantes em Manaus durante seis horas ao dia — das 6h às 11h— de segunda-feira a sábado, limitadas a 50% da capacidade. A medida foi instaurada pelos decretos 43.482 e 43.483, de 26 de fevereiro de 2021.

A capital amazonense já havia aberto o comércio não-essencial, shoppings e restaurantes desde o início da semana anterior, além de seviços a domicílio, como manutenções e salões de beleza. A retomada da indústria e da construção civil também foi decretada.

As medidas de liberação vão na contramão dos acontecimentos recentes no Brasil. Durante esta semana, o país bateu o recorde de mortes pela Covid-19 em 24h, registrando 1910 óbitos em um dia. Manaus viveu o colapso de seu sistema de saúde em janeiro, quando a cidade esgotou os cilindros de oxigênio disponíveis e teve de receber doações para manter os pacientes com respiradores nas Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs).

De acordo com dados da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas, os leitos de UTI para Covid-19 disponíveis pelo Sistema Único de Saúde em Manaus estão 86% ocupados.

*sob supervisão

Mais Recentes da CNN