Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    MPF notifica Ibama para devolução à vida livre de 15 girafas apreendidas no RJ

    Animais foram encontrados em um hotel resort, em Marangariba, em baias de 30 metros quadrados; duas pessoas foram presas em flagrante

    Foram importadas 18 girafas, entretanto, três morreram após fugirem do resort e as demais permaneciam confinadas no local
    Foram importadas 18 girafas, entretanto, três morreram após fugirem do resort e as demais permaneciam confinadas no local Divulgação/PF

    Douglas PortoGiulia Alecrimda CNN

    em São Paulo

    Ouvir notícia

    O Ministério Público Federal (MPF) notificou, na última sexta-feira (28), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), para que seja iniciado imediatamente o procedimento de devolução à vida livre em seu local de origem de 15 girafas importadas ilegalmente da África do Sul pelo Zoológico do Rio de Janeiro (BioParque).

    A recomendação foi exigida em uma ação que apura os maus tratados e a importação dos animais. Inicialmente eram 18, mas três delas morreram após fugirem do Hotel Resort Safari Portobello, em Mangaratiba, na Costa Verde do estado. As demais estavam confinadas desde 11 de novembro do ano passado em baias de 30 metros quadrados.

    As girafas foram apreendidas na última quarta-feira (26), após operação da Polícia Federal e de fiscais do Ibama. Dois homens que eram responsáveis pela manutenção foram presos em flagrante. O resort foi multado e impedido de receber novos animais até que todos os recintos tenham um certificado de “habite-se”, expedido pelo órgão ambiental responsável.

    É solicitado pelo MPF que o BioParque informe, no prazo de 48 horas, a data de início e conclusão das obras de adequação da área em que estão provisoriamente as girafas. Também é requisitado o esclarecimento sobre a morte dos animais e a apresentação de acordos assinados para importação de girafas, impalas, zebras ou outros animais de fauna exótica de médio ou grande portes.

    De acordo com apuração do Ministério Público, o BioParque já havia iniciado os procedimentos para importação de 18 impalas (Aepyceros melampus) e 15 zebras (Equus quagga), também da África.

    Foi pedido ao Ibama que suspenda imediatamente todos os processos administrativos que ainda não foram concluídos para importação de animais da fauna exótica, “até que haja a revisão dos procedimentos de análise e controle das concessões das autorizações.”

    Procurado pela CNN, o instituto informou que aplicou multa diária de R$ 4,5 mil aos responsáveis “até que ocorram as devidas adequações técnicas.”

    Parecer técnico do Ibama sobre a morte e importação das girafas

    Segundo o parecer técnico do Ibama, a morte das três girafas “é a consequência trágica de uma série de erros processuais”, em que os agentes responsáveis pela autorização da importação “não atuaram de forma a preservar o maior interesse público e ambiental”.

    O órgão vinculado ao governo federal ainda diz que “prevaleceram os interesses particulares, com base econômica, disfarçados, porém, de medida conservacionista calcada em um projeto falho e fraco de conservação.” E que se houvesse análise da legislação nacional e de questões biológicas, “os animais não teriam sido importados e, consequentemente, três deles não viriam a óbito”.

    Para os fiscais da entidade, as pessoas que pretendem contribuir para a conservação da espécie “não possuem a competência sequer de conseguirem conter adequadamente e em segurança os animais.” Eles afirmam que o caso não está em discussão. “A fuga das girafas e a morte de três delas argumentam por si contra qualquer explicação”.

    A importação, segundo o instituto, contrariou a Convenção da Organização das Nações Unidas sobre o Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna (Cites), que o Brasil faz parte.

     

     

     

     

    Mais Recentes da CNN