Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Sobe para 38 o número de mortes causadas pela passagem do ciclone no Sul

    Do total de óbitos, 37 foram no Rio Grande do Sul; Santa Catarina teve uma vítima fatal

    Flávio IsmerimVital Netoda CNN

    São Paulo

    O número de vítimas das fortes chuvas motivadas pela formação de um ciclone extratropical no Sul do Brasil chegou a 38 nesta quarta-feira (6).

    Até o momento, foram confirmadas 37 mortes no Rio Grande do Sul e uma em Santa Catarina.

    O governador gaúcho, Eduardo Leite (PSDB), anunciou a confirmação da 37ª morte no estado em entrevista à CNN na noite desta quarta-feira (6).

    Durante uma live, ele afirmou ter pedido que a Secretaria de Saúde do estado enviasse uma equipe de psicólogos para a região do Vale do Taquari, onde ficam os dois municípios que registraram mais mortes: Muçum e Roca Sales.

    “Ao contrário de outras situações climáticas, não é uma localidade, às vezes, é uma cidade inteira, como no caso de Muçum, comprometida, então isso torna difícil a constituição de listas agora com nomes, desaparecidos. O esforço está sendo colocar toda equipe em campo para os resgates”, afirmou Leite.

    Os ministros Waldez Góes, do Desenvolvimento Regional, e Paulo Pimenta, da Secretaria de Comunicação Social, estiveram no Rio Grande do Sul nesta quarta-feira para visitar as áreas mais afetadas.

    Segunda maior enchente da história do Rio Taquari

    Essa é a segunda maior enchente da história do Rio Taquari, que alcançou 29,62 metros. A maior cheia já registrada aconteceu em 1941, quando o rio chegou a 29,92 metros.

    Segundo o último boletim da Defesa Civil Municipal de Lajeado, o nível da água começou a baixar na terça-feira, por volta das 16h, mas ainda segue no estado de inundação.

    A última medição, feita às 5h, apontou 26,58 metros. A Defesa Civil Estadual do RS manteve o alerta para inundação do Rio Taquari ativo até as 13h desta quarta.

    Vídeos das enchentes no RS

    Enxurrada arrasta casa em Nova Prata

    Em nota à CNN, a Prefeitura de Nova Prata informou que as imagens foram registradas na comunidade de São Belin. Não há relatos de feridos e os moradores foram atendidos pela Defesa Civil.

    Casa arrastada em Bento Gonçalves

    Ponte sobre o Rio das Antas quebra

    Barragens de usinas da Ceran no Rio das Antas em alerta

    Cidade de Nova Bassano debaixo d’água

    Enxurrada em Roca Sales

    Alto volume de chuvas

    Em entrevista à CNN, a meteorologista da Climatempo Maria Clara Sassaki contou que algumas cidades do Rio Grande do Sul registraram, apenas na primeira semana do mês, toda a chuva prevista para setembro.

    “Essa grande quantidade de chuva mantém o alerta ao longo dos próximos dias, mesmo que o tempo esteja mais firme, porque a água demora ainda para escoar. Os rios acabam extravasando, provocando novas enchentes, novos deslizamentos”, explicou.

    Vídeo: previsão é de novas chuvas, mas momento é de resposta, diz diretor do Cenad

    Ciclone se afasta do Sul

    O ciclone extratropical que atingiu a região Sul nos últimos dias se afastou, mas a passagem da frente fria associada a ele provocou uma queda acentuada na temperatura na região Sul na terça-feira (5), conforme informou a Climatempo.

    A especialista explica que, com o afastamento do ciclone, o tempo firme volta a predominar no Sul e abre espaço para que o ar polar derrube mais ainda as temperaturas na região. Na região da fronteira com o Uruguai e na Campanha Gaúcha, o risco de geada é acentuado.

    “Ao longo do dia, o tempo firme vai voltando para o Rio Grande do Sul e o ar polar toma conta da região Sul do país. Agora a gente tem um risco de geada, com temperaturas muito baixas no decorrer dos próximos dias no Sul do país”, relatou.

    Veja também: entenda como se comporta um ciclone extratropical