Pesquisa: 93% das escolas públicas sofreram com falta de tecnologia na pandemia

Mais de 94 mil instituições de ensino no Brasil relataram dificuldades para levar o ensino remoto a seus estudantes

Prefeitura de Uberlândia

Lucas Janoneda CNN

Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Mais de 94 mil escolas públicas brasileiras apresentaram dificuldades em realizar todas as atividades pedagógicas determinadas pelo Ministério da Educação durante a pandemia de Covid-19, período que as aulas remotas foram implementadas.

O número representa 93% de todas as unidades da rede de ensino, que engloba as escolas municipais, estaduais e federais do país.

Os dados são da pesquisa divulgada pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic), entidade ligada ao Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI).

Todas essas instituições públicas de ensino apontaram a falta de dispositivos tecnológicos – computadores e celulares – como o principal impeditivo para a realização de aulas online durante a crise sanitária. A falta de acesso à internet também foi citada pela mesma quantidade de escolas.

O terceiro obstáculo mais recorrente relatado pelos diretores das escolas foi a “adversidade enfrentada pelos pais e responsáveis para apoiar os alunos nas atividades escolares”, questão assinalada por 92% das unidades de ensino.

Logo em seguida os dirigentes relatam a dificuldade das próprias escolas em auxiliar os alunos que vivem em áreas isoladas ou em condição de vulnerabilidade social.

“No Brasil, um dos grandes desafios para a continuidade do ensino na pandemia foi a desigualdade de acesso a dispositivos e à Internet pela população brasileira nos domicílios. Nesse sentido, os dados da pesquisa indicam que, embora 83% dos domicílios tivessem acesso à Internet, quase a metade destes não dispunham de computador em casa e 16% não tinham nem computador nem Internet”, destaca um trecho da pesquisa.

A falta de familiaridade dos professores com os dispositivos tecnológicos também representou uma dificuldade na realização das atividades pedagógicas durante a pandemia do novo coronavírus.

Segundo o estudo, 63% dos educadores alertaram a pouca habilidade para utilizar esses recursos durante as atividades remotas. Entre os principais obstáculos, o pouco conhecimento com as plataformas de reuniões virtuais, como Skype e Zoom, foi o mais citado pelos profissionais de ensino.

Com o intuito de solucionar os problemas, algumas escolas públicas brasileiras disponibilizaram instrumentos para conduzir o ensino à distância por alguma modalidade, seja via rádio, televisão, materiais de aprendizagem à distância ou plataformas on-line.

A Prefeitura do Rio de Janeiro, por exemplo, disponibilizou videoaulas gravadas que foram ao ar em um canal aberto, mas essa não foi uma realidade para a maior parte dos estudantes.

Mais Recentes da CNN