Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Conseguir emprego é a maior dificuldade de refugiados no Brasil, diz pesquisa

    Levantamento da ONG "Estou Refugiado" aponta que 66% dos imigrantes enfrentam problemas envolvendo o trabalho

    Manifestantes durante ato Justiça Por Moïse, em São Paulo
    Manifestantes durante ato Justiça Por Moïse, em São Paulo Suamy Beydoun/Estadão Conteúdo

    Bruno OliveiraRenata Souzada CNN em São Paulo

    Uma pesquisa realizada pela ONG Estou Refugiado, em parceria com o Instituto Qualibest, aponta que o desemprego ou a dificuldade para encontrar trabalho são os principais problemas enfrentados por 66% dos refugiados no Brasil.

    O levantamento entrevistou 503 pessoas, por meio de um questionário enviado aos refugiados, entre os dias 14 de janeiro e 21 de setembro de 2021.

    Foram incluídos imigrantes de 18 anos ou mais que vivem no país entre 6 meses e 7 anos, na condição de refugiados, solicitantes de refúgio e residentes temporários ou por tempo indeterminado.

    As dificuldades financeiras são justamente a principal razão pela qual essas pessoas deixaram seus países de origem. Quando questionadas sobre o motivo de terem saído de suas nações, 69% citaram problemas econômicos.

    Cerca de 35% dos entrevistados estavam desempregados quando responderam ao questionário, enquanto 31% eram assalariados. Dentre o grupo que estava trabalhando, o setor de serviços era o principal responsável pelas contratações.

    Mais da metade dos imigrantes que participaram da pesquisa são venezuelanos. Especialmente a partir de 2015, diante da crise social e econômica na Venezuela, o fluxo de cidadãos do país em direção ao Brasil aumentou expressivamente.

    Também há representatividade relevante no estudo de angolanos, congoleses, colombianos, sírios e cubanos, além de outros.

    Perseguição política

    Atrás dos problemas econômicos, a perseguição política em seus países de origem é o segundo motivo que obriga os imigrantes a deixarem suas casas –com 21% dos relatos.

    No caso dos congoleses, o percentual dá um salto e atinge os 42%. Recentemente, o caso do jovem Moïse Kabagambe, assassinado no Rio de Janeiro, chocou o país.

    Na época do crime, a mãe do congolês relatou ter deixado seu país por medo da violência provocada pela guerra.

    Embora a solidariedade do povo brasileiro tenha sido apontada por 62% dos participantes da pesquisa da ONG, 47% do total relataram já ter sofrido discriminação no país, principalmente motivada por suas nacionalidades, de acordo com os próprios entrevistados.