Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lula diz que errou por não conversar com senadores sobre indicação para Defensoria Pública

    Casa rejeitou o nome que o presidente indicou para comandar a defensoria; ele disse que diálogo não ocorreu por sua hospitalização recente para uma cirurgia

    Lula recebe jornalistas em café da manhã promovido no dia do seu aniversário de 78 anos, nesta sexta-feira (27)
    Lula recebe jornalistas em café da manhã promovido no dia do seu aniversário de 78 anos, nesta sexta-feira (27) Foto: Ricardo Stuckert

    Pedro Jordãoda CNN

    São Paulo

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse que errou ao não conversar com senadores sobre indicação para chefiar a Defensoria Pública da União (DPU). A declaração foi dada na manhã desta sexta-feira (27) em café da manhã com jornalistas

    Na quarta-feira (25), o Senado rejeitou o nome de Igor Roberto Albuquerque Roque para chefiar a DPU.

    “O fato deles [o Senado] não terem aprovado o Igor para a Defensoria Pública, possivelmente eu tenha culpa. Porque eu estava hospitalizado, eu não pude conversar com ninguém a respeito dele. Não pude sequer avaliar se ele fosse votado ou não. Lamento profundamente”, disse Lula.

    “Quando a gente indica alguém, a gente avalia muito o momento da votação, para saber se vai ser aprovado ou não. O nosso pessoal achou que seria tranquilo, e não foi. Eu vou ter que indicar outro e conversar com quem vota. Não vejo nisso um problema”.

    Lula ressaltou que o Senado aprovar ou não alguma indicação dele faz parte do pleno funcionamento das instituições e da democracia brasileira e que o Congresso Nacional não é obrigado a “dizer amém” a tudo o que o Executivo faz.

    Ainda sobre o relacionamento com o Congresso Nacional, Lula citou o caso da Caixa Econômica Federal. Também na quarta, ele demitiu a então presidente Rita Serrano, substituindo-a por Carlos Fernandes, que foi indicado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP).

    Segundo o presidente da República, dar os cargos acordados com o PP e o Republicanos representa cem votos a mais no Legislativo em favor de seu governo.

    “Fiz um acordo com o PP, com os Republicanos, acho que é direito deles exigir do governo que eles gostariam de ter um espaço no governo. Indicaram uma pessoa que já esteve na Caixa, já foi da Caixa, já teve no governo da Dilma [Rousseff], já foi do ministério das Cidades, uma pessoa que tem currículo para isso”, disse.

    “E eles juntos têm mais de cem votos. E eu precisava desses votos para continuar o governo, afinal de contas ainda faltam mais três anos para terminar meu mandato”, completou.

    Veja também – Dino enfrenta resistência até na base aliada no Senado

    Aniversário e saúde

    Lula completa 78 anos de idade nesta sexta-feira (27). Esse o encontro com jornalistas foi um dos primeiros eventos presenciais que o presidente participou após realizar uma cirurgia no quadril, no final do mês de setembro.

    Ele disse que estava recuperado e se sentindo bem. “Uma recuperação que eu não acreditava que pudesse ser tão rápida”, comentou.

    Além disso, ele adiantou que deverá retomar sua agenda de viagens em breve, tanto por países do mundo quanto internamente no Brasil.

    “Minha primeira viagem será para a COP28, nos Emirados Árabes. Depois, eu passo na Alemanha, porque tem um debate entre empresários brasileiros e alemães. E, antes dos Emirados, no dia 30, estou pensando em passar na Arábia Saudita para fazer uma apresentação do parque aos empresários e investidores”, disse.

    “E, depois, quando retornar, vou começar a viajar o Brasil. O ano que vem será o ano inteiro de viagem pelo Brasil para lançamento de obras do PAC, de inauguração do Minha Casa Minha Vida, de escolas técnicas, escolas federais, lançar novas universidades neste país. Porque o Brasil não pode perder a oportunidade de fazer aquilo que é nosso compromisso, para que o Brasil se transforme definitivamente um país de primeiro mundo. Estamos cansados de ser um país de primeiro mundo”.