Queiroz foi preso em imóvel de Frederick Wassef, advogado de Flávio Bolsonaro

Ex-assessor de Flávio Bolsonaro foi localizado pela Polícia Civil em imóvel na cidade de Atibaia, no interior de São Paulo

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
18 de junho de 2020 às 11:58 | Atualizado 18 de junho de 2020 às 12:00
FABRÍCIO QUEIROZ
Frederick Wassef, advogado de Flávio Bolsonaro, é dono do imóvel em Atibaia no qual foi preso Fabrício Queiroz.
Foto: Gabriela Biló - 19.jun.2019/ Estadão Conteúdo

Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), foi preso nesta quinta-feira (18) na cidade de Atibaia, no interior de São Paulo, em um imóvel que pertence a Frederick Wassef, advogado do senador e do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no caso Adélio Bispo.

Na mesma propriedade também havia um casal de caseiros, que morava em uma edícula. Um deles falou rapidamente à CNN sobre a presença de Queiroz no local, e negou que eles tivessem contato já que o ex-assessor estaria na casa apenas há 3 ou 4 dias.

O delegado Nico Gonçalves, diretor do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (Dope) da Polícia Civil de SP, afirmou, no entanto, que é investigada a hipótese de que Queiroz estivesse no local há mais de um ano.

Wassef, que ainda não se manifestou sobre o caso, esteve no Palácio do Planalto na quarta-feira, onde acompanhou a posse de Fábio Faria no Ministério das Comunicações.

Assista e leia também:

'A verdade prevalecerá', diz Flávio Bolsonaro sobre prisão de Queiroz

Caio Junqueira: Prisão de Queiroz é pior crise de Bolsonaro

Políticos repercutem prisão de Fabrício Queiroz

Em 2019, o advogado afirmou, ao menos em duas ocasiões, desconhecer o paradeiro de Fabrício Queiroz. Wassef é advogado de Flávio no caso, o que levanta a suspeita sobre uma possível troca de informações entre investigados, o que poderia representar tentativa de obstrução de Justiça.

Para Gonçalves, no entanto, isso precisa ser investigado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, mas, em um primeiro momento, o delegado acredita não ter havido obstrução já que, até a terça-feira (16) não havia um mandado de prisão contra Queiroz.

O mandado de prisão de Queiroz se refere às investigações sobre o esquema conhecido como "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Queiroz foi assessor de Flávio quando o atual senador era deputado estadual no Rio e a suspeita é de apropriação e desvio de parte dos salários dos servidores do gabinete do parlamentar.

Relação com a família Bolsonaro

O advogado, que também representou o presidente Jair Bolsonaro no caso Adélio Bispo, se apresenta como consultor jurídico da família Bolsonaro e é presença constante nos palácios do Planalto e do Alvorada.

Fachada da residência em Atibaia, onde o ex-assessor Fabrício Queiroz foi locali
Fachada da residência em Atibaia, onde o ex-assessor Fabrício Queiroz foi localizado e preso
Foto: CNN (17.jun.2020)

Wassef conheceu Bolsonaro em 2014 como deputado federal, quando a ideia da candidatura presidencial ainda parecia distante – ele costuma dizer que foi o primeiro a incentivar o então deputado a disputar a Presidência. Depois, na campanha, o advogado passou a frequentar a casa usada pela equipe de Bolsonaro.

A relação do advogado criminalista paulistano Frederick Wassef com a família do presidente, no entanto, começou por acaso. Quando estava internado para tratar um câncer, Wassef ganhou um smartphone, abriu o YouTube e caiu em um discurso do atual presidente sobre controle de natalidade.

Ele se identificou com o então deputado federal, telefonou para o gabinete dele, em Brasília, e os dois conversaram por mais de uma hora. Em 2015, os dois se aproximaram mais e Bolsonaro e sua mulher, Michelle, passaram a frequentar a casa de Wassef e sua sua ex-mulher, a empresária Cristina Boner.

(Com informações do Estadão Conteúdo)