Queiroz foi preso em imóvel de Frederick Wassef, advogado de Flávio Bolsonaro


Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
18 de junho de 2020 às 11:58 | Atualizado 18 de junho de 2020 às 12:00
FABRÍCIO QUEIROZ

Frederick Wassef, advogado de Flávio Bolsonaro, é dono do imóvel em Atibaia no qual foi preso Fabrício Queiroz.

Foto: Gabriela Biló - 19.jun.2019/ Estadão Conteúdo

Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), foi preso nesta quinta-feira (18) na cidade de Atibaia, no interior de São Paulo, em um imóvel que pertence a Frederick Wassef, advogado do senador e do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no caso Adélio Bispo.

Na mesma propriedade também havia um casal de caseiros, que morava em uma edícula. Um deles falou rapidamente à CNN sobre a presença de Queiroz no local, e negou que eles tivessem contato já que o ex-assessor estaria na casa apenas há 3 ou 4 dias.

O delegado Nico Gonçalves, diretor do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (Dope) da Polícia Civil de SP, afirmou, no entanto, que é investigada a hipótese de que Queiroz estivesse no local há mais de um ano.

Wassef, que ainda não se manifestou sobre o caso, esteve no Palácio do Planalto na quarta-feira, onde acompanhou a posse de Fábio Faria no Ministério das Comunicações.

Assista e leia também:

'A verdade prevalecerá', diz Flávio Bolsonaro sobre prisão de Queiroz

Caio Junqueira: Prisão de Queiroz é pior crise de Bolsonaro

Políticos repercutem prisão de Fabrício Queiroz

Em 2019, o advogado afirmou, ao menos em duas ocasiões, desconhecer o paradeiro de Fabrício Queiroz. Wassef é advogado de Flávio no caso, o que levanta a suspeita sobre uma possível troca de informações entre investigados, o que poderia representar tentativa de obstrução de Justiça.

Para Gonçalves, no entanto, isso precisa ser investigado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, mas, em um primeiro momento, o delegado acredita não ter havido obstrução já que, até a terça-feira (16) não havia um mandado de prisão contra Queiroz.

O mandado de prisão de Queiroz se refere às investigações sobre o esquema conhecido como "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Queiroz foi assessor de Flávio quando o atual senador era deputado estadual no Rio e a suspeita é de apropriação e desvio de parte dos salários dos servidores do gabinete do parlamentar.

Relação com a família Bolsonaro

O advogado, que também representou o presidente Jair Bolsonaro no caso Adélio Bispo, se apresenta como consultor jurídico da família Bolsonaro e é presença constante nos palácios do Planalto e do Alvorada.

Fachada da residência em Atibaia, onde o ex-assessor Fabrício Queiroz foi locali

Fachada da residência em Atibaia, onde o ex-assessor Fabrício Queiroz foi localizado e preso

Foto: CNN (17.jun.2020)

Wassef conheceu Bolsonaro em 2014 como deputado federal, quando a ideia da candidatura presidencial ainda parecia distante – ele costuma dizer que foi o primeiro a incentivar o então deputado a disputar a Presidência. Depois, na campanha, o advogado passou a frequentar a casa usada pela equipe de Bolsonaro.

A relação do advogado criminalista paulistano Frederick Wassef com a família do presidente, no entanto, começou por acaso. Quando estava internado para tratar um câncer, Wassef ganhou um smartphone, abriu o YouTube e caiu em um discurso do atual presidente sobre controle de natalidade.

Ele se identificou com o então deputado federal, telefonou para o gabinete dele, em Brasília, e os dois conversaram por mais de uma hora. Em 2015, os dois se aproximaram mais e Bolsonaro e sua mulher, Michelle, passaram a frequentar a casa de Wassef e sua sua ex-mulher, a empresária Cristina Boner.

(Com informações do Estadão Conteúdo)