Entendimento entre poderes trará 'dias melhores' para o Brasil, diz Bolsonaro

Presidente trocou elogios e acenos com os chefes do STF e do STJ durante evento em Brasília sobre parceria técnica na área do Direito

Guilherme Venaglia, da CNN em São Paulo
25 de junho de 2020 às 12:06 | Atualizado 25 de junho de 2020 às 14:01
O presidente Jair Bolsonaro
Foto: Isac Nóbrega/PR (17.jun.2020)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) adotou tom de conciliação em relação aos demais poderes, em um discurso rápido feito na manhã desta quinta-feira (25). Ele participou de evento ao lado dos presidentes do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, e do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha, além do ministro da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira.

"Nós somos pessoas privilegiadas. O nosso entendimento, sim, é o que pode sinalizar que teremos dias melhores para o nosso país. Tem mais gente que entra nesse entendimento, deputados, senadores e demais ministros do STF e do STJ", disse, citando os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

O evento foi para celebrar uma parceria técnica entre o Palácio do Planalto, o STF e o STJ, com a interligação de sistemas de informações jurídicas. De acordo com a explicação que foi feita, ao acessar o repositório de leis do Planalto, o usuário poderá ser direcionado para as interpretações e jurisprudências adotadas pelas cortes.

Bolsonaro chamou Noronha de "amigo", evidenciando a proximidade com o ministro em um momento em que o STJ pode vir a julgar os casos que tratam do seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Segundo apuração dos analistas da CNN Caio Junqueira e Thaís Arbex, aliados do senador contam com a boa relação entre o ministro e o presidente para obter decisões favoráveis na investigação que apura a suspeita de "rachadinha" na Alerj. Em entrevista à CNN, o ministro João Otávio de Noronha disse que “não há política no STJ que não seja a judiciária”.

Assista e leia também:

PGR abre apuração preliminar contra Heleno após carta com críticas ao STF

Inquérito das fake news deu resultado, afirma Gilmar Mendes

Governo alerta STF que Bolsonaro pretende depor por escrito

Durante o evento, Jair Bolsonaro também trocou afagos com o ministro Dias Toffoli. Toffoli elogiou a decisão do presidente de dar status ministerial ao atual ocupante da subchefia de Assuntos Jurídicos, o ministro Jorge Oliveira. O atual presidente do STF ocupou o cargo, que chamou de "uma das posições mais importantes", durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Em sua fala, Bolsonaro afirmou ter levado em consideração o conselho dado a ele por Toffoli antes da posse, de escolher alguém de sua confiança para a função, que chamou de "grata lembrança". Oliveira é ex-chefe de gabinete do filho do presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Segundo o presidente, a confiança no assessor lhe permite assinar documentos sem uma leitura completa, mesmo sabendo que será responsabilizado pelo conteúdo.

Homenagem a soldado

Na sequência do evento com o STF e o STJ, o presidente Jair Bolsonaro participou de uma cerimônia ao lado do ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça. O presidente inaugurou o retrato do soldado Daniel Henrique Trarbach Engelmann, que, segundo o Exército, faleceu em operação de combate contra os crimes transfronteiriços no Rio Paraná.

Em seu discurso, Mendonça elogiou o Exército, que, segundo ele, tem sido "exemplo de respeito à Constituição". "O Exército brasileiro tem sido exemplo, general Fernando (Azevedo), de defesa da pátria, de luta incansável, de moderação, de respeito à lei e à Constituição", disse.