No entorno de Bolsonaro, aposta é de que Decotelli vai pedir para deixar o MEC

Segundo aliados de Bolsonaro, o próprio presidente teria dado essa indicação na noite dessa segunda

Por Igor Gadelha, CNN  
30 de junho de 2020 às 08:27 | Atualizado 30 de junho de 2020 às 08:41

Aliados e auxiliares do presidente Jair Bolsonaro apostam que o próprio professor Carlos Alberto Decotelli pedirá para deixar o cargo de ministro da Educação nos próximos dias, após a revelação de uma série de inconsistências em seu currículo acadêmico.

Segundo aliados de Bolsonaro, o próprio presidente teria dado essa indicação na noite dessa segunda-feira (29), ao escrever no Facebook que Decotelli “não pretende ser um problema para sua pasta (Governo) (sic), bem como está ciente de seu equívoco”.

Leia também: 

Decotelli alega que não defendeu tese por questão financeira e diz: sou ministro

FGV diz que Decotelli não foi seu professor efetivo

Bolsonaro nega traição na indicação de Decotelli

Com essa perspectiva, outros nomes cotados para o MEC intensificaram as articulações de bastidores, para serem escolhidos. Um deles é Sérgio Sant’ana, assessor especial da pasta e que conta com apoio de deputados bolsonaristas e dos filhos de Bolsonaro para assumir o Ministério.

Parlamentares bolsonaristas tentam fazer o presidente receber Sérgio nesta terça-feira (30) em Brasília. Também entregaram ao chefe do Palácio do Planalto uma lista com assinatura de cerca de 20 deputados e senadores em apoio à indicação do assessor para ministro.

Na tarde dessa segunda-feira, Decotelli se reuniu com Bolsonaro para explicar as polêmicas em torno de seu currículo. Em entrevista na portaria do MEC após o encontro, o professor disse que segue ministro, mas afirmou não saber quando sua posse acontecerá.