Atuação de interino pode fazer Bolsonaro adiar escolha para o MEC

A avaliação no Palácio do Planalto é de que Voguel está “dando conta do recado” durante a interinidade

Por Igor Gadelha, CNN  
09 de julho de 2020 às 13:01 | Atualizado 09 de julho de 2020 às 13:02
O secretário-executivo do Ministério da Educação, Antônio Paulo Vogel, em entrevista coletiva
Foto: José Cruz - 04.jun.2019/Agência Brasil

A atuação do secretário-executivo do Ministério da Educação, Antonio Paulo Vogel, pode fazer o presidente Jair Bolsonaro adiar para a próxima semana a definição do novo ministro da pasta. 

A avaliação no Palácio do Planalto é de que Voguel está “dando conta do recado” durante a interinidade, o que permite que o processo de escolha do novo ministro efetivo seja mais “calmo e tranquilo”. 

Leia também:

Enem 2020 será em 17 e 24 de janeiro de 2021, diz MEC

Prouni: MEC demora para liberar consulta de vagas oferecidas e preocupa alunos

Essa percepção é compartilhada principalmente por ministros e assessores da chamada ala militar do governo, que estão auxiliando o presidente no processo de definição do novo titular do MEC.

Segundo ministros palacianos, Bolsonaro não quer repetir o mesmo erro da escolha de Carlos Alberto Decotelli, que chegou a ser nomeado, mas não tomou posse após a imprensa revelar inconsistências em seu currículo.

Servidor de carreira do Ministério da Economia, Vogel chegou a ser cotado para suceder Abraham Weintraub como ministro da Educação. Seu nome, porém, enfrentou forte resistência da ala ideológica do governo.

Pesou contra o secretário-executivo o fato de ter atuado como secretário-adjunto de Finanças da Prefeitura de São Paulo na gestão do petista Fernando Haddad.