Paulo Marinho desiste de eleição no Rio e PSDB vai apoiar Eduardo Paes

O empresário é suplente do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), com quem rompeu após a eleição de 2018.

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
10 de setembro de 2020 às 20:28
O empresário Paulo Marinho fala à imprensa na saída do depoimento à PF
Foto: CNN (26.mai.2020)

O empresário Paulo Marinho desistiu nesta quinta-feira (10) da sua pré-candidatura a prefeito do Rio de Janeiro.

Presidente do PSDB no Rio de Janeiro, Marinho afirmou à CNN que o partido vai oficializar na segunda-feira o apoio à candidatura do ex-prefeito Eduardo Paes (DEM).

"Esse é o momento em que precisamos despertar as forças políticas de Centro, que amam o Rio de Janeiro, para combater a crise que a cidade enfrenta. Devemos nos unir em torno do Eduardo Paes, que é quem reúne as melhores condições de ganhar a eleição", disse o empresário.

Paulo Marinho é suplente do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), com quem rompeu após a eleição de 2018.

Assista e leia também:

Chapa de Eduardo Paes escolhe Nilton Caldeira, do PL, como candidato a vice

Denunciado por corrupção, Eduardo Paes é alvo de mandados de busca e apreensão

Republicanos confirma candidatura de Crivella à reeleição no Rio

O empresário acusa o senador de ter recebido informações privilegiadas sobre operação da Polícia Federal que investigava gabinetes da Assembleia Legislativa do Rio, incluindo o dele.

Marinho se filiou ao PSDB em 2019 e assumiu a pré-candidatura tucana depois da morte do ex-ministro Gustavo Bebianno em março.

Operação

Marinho afirmou à CNN acreditar na honestidade do ex-prefeito Eduardo Paes, que recentemente foi alvo de uma operação policial e foi denunciado por suspeita de corrupção.

"Conheço Eduardo Paes pessoalmente, para além do político, e tenho convicção da honestidade dele. Tenho certeza que ele provará que é inocente", disse o empresário.

Quando foi alvo de operação, Paes apontou motivações políticas, relacionando a investigação de que é alvo com a sua intenção de voltar a ser prefeito do Rio, cargo que exerceu entre 2009 e 2016.

O Ministério Público Eleitoral acusa o pré-candidato do DEM de ter recebido aproximadamente R$ 10,8 milhões do Grupo Odebrecht para financiar sua campanha à prefeitura em 2012.