Governadores articulam reunião com Maia e Alcolumbre para discutir vacinação

A expectativa é de que a conversa aconteça na próxima terça-feira (3)

Julliana Lopes e Cassius Zeilmann, da CNN, em Brasília
28 de outubro de 2020 às 07:09 | Atualizado 28 de outubro de 2020 às 13:54

 

Representantes dos estados brasileiros pediram uma reunião com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para discutir a vacinação contra a Covid-19. A solicitação também foi encaminhada ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O documento é assinado pelo governador do Piauí, Wellington Dias, coordenador do grupo que reúne representantes estaduais.

A CNN apurou que a expectativa é de que a conversa aconteça na próxima terça-feira (3). Uma outra reunião, desta vez com ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, também deve ocorrer, mas por videoconferência. Ele segue em isolamento depois de ter testado positivo para a Covid-19.

Assista e leia também:
Plenário do STF decidirá sobre imunização obrigatória contra Covid-19
Anvisa autoriza Butantan a importar 6 milhões de doses da Coronavac
Os resultados da Coronavac e o desenvolvimento das vacinas para Covid-19

Governadores pretendem instalar comissão técnica até dia 30 de novembro
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Segundo o governador do Piauí, o objetivo é discutir o Plano Nacional de Vacinação. Wellington Dias quer coordenar, junto ao governo federal, a articulação relacionada à vacinação contra a Covid-19. Ele conta com apoio de parlamentares para reestabelecer um diálogo com o Executivo.

Os governadores pretendem instalar até o dia 30 de novembro uma comissão técnica que será responsável por apresentar toda a estratégia de imunização contra o novo coronavírus. "Ali está contida a preocupação com todos os brasileiros e salvar vidas, em primeiro lugar. A primeira vacina que tiver autorização científica, é esta que devemos utilizar no Brasil."

No dia 20 de outubro, Pazuello, em reunião com os governantes, anunciou um acordo com o governo de São Paulo para a compra de 46 milhões de doses da Coronavac, vacina que está sendo desenvolvida numa parceria entre o Instituto Butantan e o laboratório chinês Sinovac. Mas, no dia seguinte, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desautorizou o chefe da pasta e negou a compra da vacina chinesa

Nesta semana, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde também deve voltar a discutir o assunto com representantes do governo federal.