Sidney Rezende: Para 2022, Bolsonaro não teria força com partido criado do zero

No quadro Liberdade de Opinião, Sidney Rezende avaliou impasse do presidente sobre afiliação ou criação de partido

Da CNN
19 de novembro de 2020 às 10:13


O presidente Jair Bolsonaro decidiu, há pouco mais de um ano, deixar o PSL e criar um novo partido, chamado Aliança Pelo Brasil. Desde então, Bolsonaro seguiu sem partido, mas não conseguiu finalizar a criação da nova legenda. De acordo com o analista da CNN Igor Gadelha, auxiliares do presidente disseram que ele deve esperar a definição da presidência na Câmara e no Senado, em fevereiro, para tomar uma decisão.

No quadro Liberdade de Opinião desta quinta-feira (19), Sidney Rezende comentou o impasse do presidente da República. O jornalista ressaltou que aliados preferem que Bolsonaro vá para um partido menor, como é o caso do Patriotas, para ter o controle da legenda e acumular alianças nos estados. Porém, o desempenho dos partidos do Centrão nas eleições municipais pode pesar na decisão do presidente.

Leia também:

Bolsonaro revê estratégia e avalia se filiar ao Centrão
Maia intensifica articulação para eleição na Câmara; Bolsonaro discute cenários
Radar Político: Futuro partidário de Bolsonaro só deve ser definido em 2021

"O presidente é uma pessoa que desconstrói com eficiência, mas constrói com dificuldade. Ele não é aquele operador da política que é capaz de trabalhar incansavelmente por uma causa. Esta sinalização [em aguardar as definições nas Casas legislativas] mostra que os filhos, que têm influência junto ao presidente, entendem que ele deve ficar num partido menor, mas que ele tenha um controle. Isso pode pesar do ponto de vista afetivo, mas do ponto de vista concreto, para alguém que almeja uma reeleição, é preciso capilaridade. Aí entra como uma luva o PP, por exemplo, ou qualquer outro partido do Centrão de médio a grande. Porque dessa forma ele teria mais condições de, em 2022, influir nos municípios", avalizou Rezende.

"Isso nos leva a crer que o presidente está desembarcando da ideia de ele próprio criar um novo partido, pois, se criar, acho que será fraco nacionalmente porque Bolsonaro já não é mais novidade como era para o Poder Executivo, em 2018. Então fazer um novo partido começa a ficar descartado", completou.

O Liberdade de Opinião tem a participação de Sidney Rezende e Alexandre Garcia. O quadro vai ao ar diariamente na CNN.

(Publicado por: Marina Motomura)