Exército decide abrir procedimento disciplinar contra Pazuello

Como general da ativa, ele só poderia ir ao ato com autorização do comando do exército, o que não ocorreu

Caio Junqueira
Por Caio Junqueira, CNN  
24 de maio de 2021 às 17:32 | Atualizado 24 de maio de 2021 às 22:39

O Exército decidiu abrir um procedimento disciplinar contra o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello por ter ido ao ato no Rio de Janeiro com o presidente Jair Bolsonaro. Como general da ativa, ele só poderia ir participar com autorização do comando do exército, o que não ocorreu.

A investigação irá avaliar se ele descumpriu o Regulamento Disciplinar do Exército, que prevê punição caso "manifeste-se, publicamente, o militar da ativa, sem que esteja autorizado, a respeito de assuntos de natureza político-partidária".

Pazuello foi notificado pelo Exército Brasileiro ainda na noite desta segunda-feira (24) sobre a abertura da apuração. A ideia inicial era que o ex-ministro fosse informado pessoalmente pelo comandante do Exército, Paulo Sergio Nogueira, mas fontes das Forças Armadas informaram à CNN que ele não chegou a tempo do Rio de Janeiro. 

Inicialmente pensou-se uma reunião pessoalmente entre Nogueira e Pazuello na manhã desta terça-feira (25), mas a reunião foi cancelada. 

O episódio é mais uma demonstração da irritação do Alto Comando do Exército com Pazuello. Militares consideraram a participação dele no ato com Bolsonaro uma afronta e agora pressionam para que ele vá para a reserva.

O artigo 24 do Regimento prevê seis tipos de punição:  
"I - a advertência;
II - o impedimento disciplinar;
III - a repreensão;
IV - a detenção disciplinar;
V - a prisão disciplinar; e
VI - o licenciamento e a exclusão a bem da disciplina."

Pazuello será chamado a se manifestar e apresentar sua defesa. A expectativa é de que o procedimento dure até  30 dias.

Procurado pela CNN o ex-ministro da Saúde não retornou as ligações.

Pressão por aposentadoria

O Alto Comando do Exército vai pressionar Eduardo Pazuello a pedir aposentadoria e, caso ele resista, debaterá alternativas para forçar o ex-ministro da Saúde a deixar a instituição. A situação interna, segundo generais, nunca esteve tão ruim. 

Em conversa com Pazuello após o ato de domingo, o comandante do Exército, Paulo Sérgio Nogueira, orientou-o a ir para reserva. A solução é considerada pela força a mais diplomática, pois agradaria ao Alto Comando que poderia atenuar sua punição por ter ido ao ato com Bolsonaro. Pazuello, porém, resiste à ideia. Generais continuarão a debater essa possibilidade com ele.

Caso ele mantenha a resistência, alternativas estão sendo avaliadas pelo Exército. Uma delas é a promoção de oficiais generais de turmas mais novas, o que automaticamente o levaria à reserva. Outra é uma punição tão severa pela ida ao ato que o force a pedir aposentadoria.

Ato no Rio de Janeiro

Bolsonaro e ex-ministro da Saúde Pazuello
Bolsonaro e ex-ministro da Saúde Pazuello
Bolsonaro e ex-ministro da Saúde Pazuello, em carro de som, falam com apoiadores no Rio de Janeiro (23-05-2021)Crédito: Reprodução / CNN
  • Bolsonaro e ex-ministro da Saúde Pazuello
  • Pazuello no Rio sem máscara
  • Bolsonaro com apoiadores em passeio de motocicleta no Rio (23 de maio de 2021)
  • Apoiadores em passeio de moto com Bolsonaro no Rio de Janeiro
  • Bolsonaro participa de passeio de motociclistas no Rio de Janeiro (23 de maio de

 

O general Eduardo Pazuello esteve, sem máscara, em um ato político ao lado do presidente Jair Bolsonaro, também sem máscara, neste domingo (23) no Rio de Janeiro. A participação aconteceu dias depois de o militar falar à CPI da Pandemia, no Senado.

O depoimento à comissão deveria ter acontecido no começo do mês, mas foi adiado em duas semanas depois de Pazuello ter contato com casos suspeitos de Covid-19. Ele chegou a enviar uma carta ao Exército pedindo o adiamento. O general também havia sido flagrado sem máscara em um shopping de Manaus.