STF dá 48 h para que CPI se manifeste sobre quebra de sigilo de Ernesto Araújo

A CPI aprovou nesta quinta-feira (10) o pedido de quebra de sigilo de diversas autoridades do governo federal, incluindo o ex-chanceler

Da CNN, em São Paulo
11 de junho de 2021 às 18:52

 O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes estabeleceu prazo de 48 horas para que a CPI da Pandemia preste informações sobre o pedido de quebra de sigilo telefônico e telemático (redes sociais) do ex-ministro da Relações Exteriores Ernesto Araújo. As informações são da analista da CNN Thais Arbex.

A CPI aprovou nesta quinta-feira (10) o pedido de quebra de sigilo de diversas autoridades do governo federal, incluindo o ex-chanceler.

 

Após o pedido, o ex-chanceler foi ao STF para que a solicitação da quebra de sigilo seja negada, o que motivou o ministro Alexandre de Moraes - que recebeu o caso - a determinar uma prazo de 48 horas para que a CPI preste explicações das razões do pedido.

O ex-chanceler Ernesto Araújo
O ex-chanceler Ernesto Araújo durante depoimento na CPI da Pandemia nesta terça-feira (18)
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Também entraram com mandados de segurança no Supremo pedindo a suspensão da decisão da CPI da Pandemia o advogado de Pazuello, Zoser Hardman, Mayra Pinheiro (secretária do Ministério da Saúde  e Hélio Neto (atual secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde).

(Publicado por Marina Motomura)