Criticado, Luis Miranda diz que Roberto Dias tenta desconstruir denúncia

Deputado federal negou que tenha pedido ao ex-diretor do Ministério da Saúde a transferência de seu irmão, Ricardo Miranda

Tainá Farfan e Gustavo Uribe, da CNN, em Brasília
07 de julho de 2021 às 16:27 | Atualizado 07 de julho de 2021 às 17:02
Deputado Luis Miranda (DEM-DF)
Deputado rebateu as afirmações feitas pelo ex-servidor à CPI nesta quarta-feira
Foto: GABRIELA BILÓ/ESTADÃO CONTEÚDO

Criticado pelo depoente Roberto Dias, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) afirmou à CNN que o ex-diretor do Ministério da Saúde tem tentado desconstruí-lo para não tratar sobre eventuais irregularidades em contratos de compra de vacinas.

Em depoimento nesta quarta-feira (7), Roberto Dias disse que negou pedido de cargo para o irmão do deputado federal, o servidor Luis Ricardo Miranda, questionou se teria atrapalhado "algum negócio" do parlamentar no Ministério da Saúde e afirmou que o currículo dele é "controverso".

“Não fala sobre o fato. O fato de a empresa [Madison Biotech] estar em paraíso fiscal e não estar em contrato", disse o deputado federal. "Então, é criar narrativa, né? Como o meu irmão, que é chefe do setor desde 2016, poderia querer outro cargo? Será que ele pediu o cargo de ministro? O que eu me recordo é que o meu irmão queria sair do departamento pela quantidade de corrupção que esse departamento tem. Ele estava disposto a perder o cargo de chefia para se livrar de pessoas como Roberto Dias", acrescentou.

A Madison Biotech entrou no alvo da CPI da Pandemia pelo fato de a Precisa Medicamentos tê-la usado para tentar receber uma antecipação de US$ 45 milhões pela compra de 20 milhões de doses da Covaxin

O negócio é objeto de apuração pelo preço da vacina, a mais cara adquirida pelo governo federal, e pela celeridade das negociações.

Para Luis Miranda, Roberto Dias tem tentado “desconstruir a testemunha, fazer ter dúvida, para que a ‘base bolsonarista’ faça um recorte para as redes sociais”.

O deputado federal compartilhou com a CNN cópias de mensagens trocadas com Roberto Dias. Ele diz que fez um único pedido a Dias, para que fossem enviadas 500 unidades de respiradores para o Distrito Federal.

Dias foi exonerado na última quarta-feira (30) após suspeitas de pedido de propina na contratação de compra de doses da vacina da AstraZeneca pelo governo federal. Roberto Dias nega as acusações feitas pelo vendedor e policial militar Luiz Paulo Dominghetti.

Veja mais notícias do Brasil e do mundo na CNN.