CPI da Covid hoje: comissão prevê ouvir diretora da Precisa Medicamentos

A importadora é apontada por fazer a intermediação nas negociações para compra da vacina Covaxin

Renato Barcellos, da CNN, em São Paulo
13 de julho de 2021 às 04:30 | Atualizado 13 de julho de 2021 às 10:44

A CPI da Pandemia prevê ouvir nesta terça-feira (13) a diretora técnica da Precisa Medicamentos, Emanuela Batista de Souza Medrades, a partir das 9h. A importadora é apontada por fazer a intermediação nas negociações para compra da vacina Covaxin.

Medrades vai ao Senado amparada por um habeas corpus concedido pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, que permite que ela possa ficar em silêncio perante os parlamentares. 

Na decisão, Fux aponta que "os fatos indicam que [Emanuela Medrades] será ouvida na condição de investigada" e não como testemunha, o que a obrigaria a responder e dizer a verdade a todos os questionamentos.

O pedido, apresentado pela defesa da diretora técnica, também solicitava que ela pudesse não comparecer à comissão, o que não foi autorizado pelo presidente da Corte. 

"Por outro lado, à luz dos fundamentos anteriormente lançados, indefiro o pedido de não comparecimento, impondo-se, quanto aos fatos, em tese, criminosos de que a paciente seja meramente testemunha, o dever de depor e de dizer a verdade", escreveu o ministro.

Emanuela Medrades teve o requerimento de convocação apresentado pelos senadores Otto Alencar (PSD-BA) e Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e aprovado pela CPI em 30 de junho, quando também teve aprovada a transferência de sigilo telefônico e telemático.

“Para que seja possível esclarecer os detalhes de potencial beneficiamento da Bharat Biotech, representada no Brasil pela Precisa Medicamentos, na negociação de compra de vacinas pelo Ministério da Saúde, faz-se necessária a oitiva da Sra. Emanuela Medrades, diretora técnica de referida importadora”, ressalta Alessandro no requerimento.

Suposto crime de falsidade

O técnico da divisão de importação do Ministério da Saúde William Amorim Santana apresentou durante a sessão da última sexta-feira (9) documentos enviados pela Precisa Medicamentos à pasta.

De acordo com a senadora Simone Tebet (MDB-MS), os documentos são os mesmos apresentados pelo servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda e classificados pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Onyx Lorenzoni, como falsos.

Relator da CPI, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) avalia que Onyx cometeu “crime de falsidade” ao tentar confundir a investigação e defendeu a convocação do ministro para prestar depoimento à CPI.

O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que a convocação do ministro será apreciada na sessão desta terça. Na última sexta, Aziz propôs uma acareação entre Lorenzoni e Luis Miranda "para ver quem está mentindo".