Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    A pedido de Nunes, MDB pedirá apoio “moderado” de Lula a Boulos

    Prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes é pré-candidato à reeleição; MDB integra a base lulista, assim como o PSOL, de Boulos

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o deputado Guilherme Boulos (PSOL-SP)
    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o deputado Guilherme Boulos (PSOL-SP) Ricardo Stuckert/PR

    Caio Junqueira

    A cúpula do MDB vai negociar com Luiz Inácio Lula da Silva (PT) um apoio “moderado” do presidente a Guilherme Boulos (PSOL) nas eleições para a Prefeitura de São Paulo em 2024.

    A operação foi debatida nesta segunda-feira (14) em reunião da cúpula do partido em um clube no centro de São Paulo.

    Vídeo: Ricardo Nunes fica no MDB e promete vice ao PL em 2024

    Participaram do encontro ex-presidente Michel Temer; o presidente do MDB, Baleia Rossi; o deputado federal Eunício Oliveira (CE); os ex-ministros Carlos Marun e Moreira Franco; o senador Jader Barbalho (PA); o ex-senador Romero Jucá (RR); e o governador do Pará, Helder Barbalho.

    “O prefeito falou sobre a possibilidade de a chamada cúpula do partido de ter uma conversa com presidente Lula, para que ele não ‘caísse’ dentro da campanha de São Paulo. E nós dissemos que vamos fazer isso”, disse Eunício Oliveira à CNN.

    “Ele [Nunes] apenas queria que o presidente não visse a São Paulo como um objetivo essencial, como um campo de guerra. A direção do partido achou razoável ter uma conversa de todos nós com o presidente Lula para tratar dessa conversa”, complementa Eunício.

    De acordo com o deputado federal pelo Ceará, há uma compreensão no MDB em Lula apoiar Boulos, mas a ideia é levar ao presidente que o partido integra a base assim como o PSOL de Guilherme Boulos. O MDB tem três ministérios.

    “Todo mundo compreende a questão de o Lula apoiar o Boulos. Mas o MDB é base do presidente. Ambos são base do governo. E ficou o compromisso de procurarmos o presidente Lula e termos uma conversa nesse sentido: que todo mundo respeita o fato de ele apoiar o Boulos, mas não faça de São Paulo campo de guerra”, continuou Eunício.

    Na reunião, Nunes também apresentou números que o colocam como um candidato competitivo à reeleição.

    Houve a leitura de que a liderança de Boulos nas pesquisas se deve a um recall das eleições de 2020 e que o candidato do PSOL teria um teto e uma rejeição elevada.

    Foi falado ainda que o apoio de Tarcísio de Freitas (Republicanos) é essencial para a eleição, uma vez que pesquisas internas mostram que o apoio do governador de São Paulo teria mais peso do que o do próprio Lula.

    Nunes também abordou as inaugurações que pretende fazer nos próximos meses e também o volume de investimentos previstos para este ano (R$ 11,5 bilhões) e para 2024 (cerca de R$ 13 bilhões).