Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CPI da Pandemia cancela terceiro depoimento de Marcelo Queiroga

    Informação foi confirmada pelo presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), à CNN. Relatório final deve ser apresentado em 19 de outubro e votado no dia seguinte

    Tainá FarfanThais Arbexda CNN

    em Brasília

    Ouvir notícia

    A CPI da Pandemia cancelou o que seria o terceiro depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e apresentou novas previsões de oitivas para a próxima segunda-feira (18).

    A informação foi confirmada nesta terça-feira (12) pelo presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), à repórter Tainá Farfan e à analista de política Thais Arbex, da CNN.

    Após reunião remota da cúpula majoritária da CPI, entendeu-se que o depoimento de Queiroga não acrescentaria mais novas informações para compor o relatório final dos trabalhos, já que o ministro emitiu previamente suas opiniões sobre o uso de medicamentos do chamado “kit Covid” e enviou as respostas acerca da vacinação contra a Covid-19 em 2022.

    A apresentação do relatório final da CPI continua prevista para o dia 19 de outubro, assim como a votação do parecer, marcada para o dia 20.

    Nos últimos dias, segundo informado pelo analista da CNN Caio Junqueira, o governo trabalhava nos bastidores para cancelar a ida do ministro ao Senado. O responsável por tal movimento seria o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo na casa.

    Em vez do ministro da Saúde, os senadores pretendem ouvir, ainda no dia 18, o pneumologista Carlos Carvalho, apontado como o médico responsável pelo adiamento da análise da Conitec sobre uso de medicamentos como hidroxicloroquina e ivermectina – mudança que também suscitou a última convocatória de Queiroga.

    Também serão recebidos na CPI, no mesmo dia, familiares de vítimas da Covid-19. Na última semana, a comissão decidiu cancelar a sessão solene em homenagem às vítimas. Segundo Renan Calheiros (MDB-AL), a cerimônia poderia ser utilizada com propósitos “políticos” e para espalhar “fake news”.

    Mais Recentes da CNN