Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleições 2022

    Defesa diz que Exército havia pedido troca de coronel que divulgou fake news

    Segundo a a pasta, o Exército decidiu, na semana passada, indicar um novo nome para o grupo que fiscaliza as eleições no TSE

    Da CNN

    O Ministério da Defesa afirmou nesta segunda-feira (8) que partiu do próprio Exército a decisão de substituir o coronel Ricardo Sant’Anna do grupo indicado pelas Forças Armadas para fiscalizar o processo eleitoral. A informação foi antecipada pela analista da CNN Thais Arbex e confirmada em primeira mão pelo âncora Kenzô Machida.

    Em documento, assinado pelo presidente do TSE, Luiz Edson Fachin, e pelo vice-presidente do tribunal, Alexandre de Moraes, a Corte informa que o coronel será excluído do grupo por divulgar nas redes sociais fake news sobre as urnas eletrônicas.

    Em nota, a Defesa disse que o Exército planejava indicar um novo nome para a vaga.

    “Já no fim de semana passado o Exército havia decidido selecionar um novo integrante para a equipe em substituição ao atual. Assim que a seleção estiver concluída, o TSE será informado a respeito.”

    A pasta afirmou ainda que a regulação das redes sociais dos militares fica a cargo das Forças Armadas.

    “Entende-se que as outras instituições, da mesma forma, realizam o trabalho de fiscalização com esse perfil, ou seja, independentemente das posições pessoais dos integrantes de suas equipes. Sobre o uso de mídias sociais, os militares ficam sujeitos à regulação das Forças.”

    O Ministério da Defesa afirmou que as posições pessoais dos integrantes das Forças Armadas que atuam na fiscalização das eleições não interferem em suas atividades.

    A CNN apurou que, embora não seja usual a assinatura conjunta, Moraes decidiu chancelar a decisão de Fachin para fortalecer o gesto do atual presidente da Corte. O ministro, que assumirá o TSE no próximo dia 16, quis mostrar que, embora tenha uma relação mais próxima com as Forças Armadas, não admitirá falta de respeito com a Justiça Eleitoral.

    Debate

    As emissoras CNN e SBT, o jornal O Estado de S. Paulo, a revista Veja, o portal Terra e a rádio NovaBrasilFM formaram um pool para realizar o debate entre os candidatos à Presidência da República, que acontecerá no dia 24 de setembro. O debate será transmitido ao vivo pela CNN na TV e por nossas plataformas digitais.