Embora os fatos sejam graves, prisão preventiva não se justifica, diz professor

Advogado criminalista analisa mandado de prisão do prefeito do Rio, Marcelo Crivella

da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O advogado criminalista e professor da FGV-SP, Celso Vilardi, diz que as acusações contra o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), são “seríssimas” e que o conjunto de provas reunido pelo Ministério Público fluminense é “muito forte”. Porém, ele ressalta que, do ponto de vista jurídico, “para fins de decretação da prisão preventiva, a decisão realmente não me parece perfeita”.

“Acho que a gestão do prefeito está para terminar em praticamente uma semana e não se justificaria uma prisão preventiva, embora os fatos sejam gravíssimos”, disse à CNN.

Isso porque, segundo o docente, do ponto de vista jurídico, a prisão preventiva deve ser decretada em três situações: “Quando há risco de fuga, que não é o caso, quando há risco de algum tipo de destruição de prova, o que a decisão não traz nenhuma questão relacionada ao prefeito, ou para proteção da ordem pública”, explicou.

Assista e leia também:

Em denúncia, MP do Rio diz que operação contra Crivella, em setembro, vazou

Marcelo Crivella é ‘vértice’ de organização criminosa, dizem procuradores

Maia chama de ‘abusiva’ decisão que prendeu Crivella

Presidente da Câmara do Rio vai substituir Crivella na Prefeitura; saiba quem é

O prefeito Marcelo Crivella (Republicanos)
O prefeito Marcelo Crivella (Republicanos)
Foto: CNN (22.dez.2020)

Marcelo Crivella foi preso na manhã desta terça-feira (22) em ação conjunta da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ). A prisão é um desdobramento da Operação Hades, que investiga um suposto ‘QG da Propina’ na Prefeitura do Rio.

Além de Crivella, também foram presos o empresário Rafael Alves (suspeito de ser o chefe do esquema de propinas e irmão de Marcelo Alves, ex-presidente da RioTur), Mauro Macedo (ex -tesoureiro da campanha de Crivella) e o ex-vereador Fernando Moraes.

(Publicado por Leandro Nomura)

 

Mais Recentes da CNN