Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    PF cumpre mandados contra suspeitos de participação em ataques; quatro prisões são confirmadas

    Até o momento, foram confirmadas as prisões de Ramiro Júnior, Randolfo Antonio Dias, Renan Sena Silva, Soraia Bacciotti e Raif Gibran Filho

    Basília RodriguesLeonardo RibbeiroBianca Camargoda CNN

    Brasília e São Paulo

    A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta sexta-feira (20), a Operação Lesa Pátria, com o intuito de identificar pessoas que participaram, financiaram ou fomentaram os atos criminosos de 8 de janeiro em Brasília. Cinco prisões foram confirmadas até o momento.

    Policiais cumprem oito mandados de prisão preventiva e 16 mandados de busca e apreensão em todo o país. São três mandados de prisão em São Paulo – na capital paulista e em Campinas, segundo apuração da CNN -, dois no Distrito Federal e um em Minas Gerais, Rio de Janeiro e Mato Grosso do Sul.

    Entre os presos está Ramiro Junior, de 49 anos, conhecido como Ramiro dos Caminhoneiros. Nas redes sociais ele se apresenta como “patriota a serviço do transporte”.

    Ramiro Junior foi candidato a deputado federal por São Paulo pelo PL (Partido Liberal) nas eleições de 2022. Com 4.542 votos, ele ficou como suplente da Câmara dos Deputados.

    Ramiro Junior, de 49 anos, conhecido como Ramiro dos Caminhoneiros, foi preso nesta sexta-feira (20) pela Polícia Federal por envolvimento com os atos criminosos em Brasília no dia 8 de janeiro.
    Ramiro Junior, de 49 anos, conhecido como Ramiro dos Caminhoneiros, foi preso nesta sexta-feira (20) pela Polícia Federal por envolvimento com os atos criminosos em Brasília no dia 8 de janeiro. / Reprodução

    Ainda na casa de Ramiro, os policiais encontram uma bandeira com os seguintes dizeres: “Caminhoneiros vão parar! Não reconhecemos mais os membros do STF, STJ, TSE e Congresso. Basta! Sem eles o Brasil cresce. Houve fraude sim. TSE adulterou os votos. Pedimos apoio do povo. Se tiver lockdown, a rodagem para!”.

    Ramiro Júnior
    Bandeira que acusa o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de ter fraudado os resultados das eleições presidenciais de 2022 foi encontrada na casa de Ramiro Júnior. / Reprodução

    Em Minas, a PF deteve Randolfo Antonio Dias. Ele incitava ações ilegais, como bloqueio de refinarias, e enviava áudios desejando a morte do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

    Randolfo Antônio Dias foi preso pela Polícia Federal (PF), nesta sexta-feira (20), em Belo Horizonte.
    Randolfo Antônio Dias foi preso pela Polícia Federal (PF), nesta sexta-feira (20), em Belo Horizonte. / Reprodução

    No Distrito Federal, a PF prendeu Renan Silva Sena, demitido do Ministério dos Direitos Humanos em maio de 2020, após divulgar um vídeo com ofensas e autoridades. Com ele, os policiais localizaram R$ 22 mil.

    Renan Silva Sena foi preso pela Polícia Federal, nesta sexta-feira (20), no Distrito Federal. Envolvido nos atos criminosos em Brasília do dia 8 de janeiro, ele pediu intervenção militar e criticou ministros do STF
    Renan Silva Sena foi preso pela Polícia Federal, nesta sexta-feira (20), no Distrito Federal. Envolvido nos atos criminosos em Brasília do dia 8 de janeiro, ele pediu intervenção militar e criticou ministros do STF / Reprodução

    A casa de Renan Sena estava trancada e teve o portão arrombado por agentes para o cumprimento de mandado de busca e apreensão.

    PF localizou R$ 22 mil na residência de Renan Sena Silva, em Brasília. / Divulgação/ Polícia Federal

    No Mato Grosso do Sul, a PF deteve Soraia Bacciotti. Ela é intérprete de libras e também participava de bolsonaristas radicais. Soraia foi atuante na campanha do deputado estadual Capitão Contar (PRTB) ao governo do Mato Grosso do Sul em 2022. Ele foi derrotado por Eduardo Riedel (PSDB) no 2º turno.

    Soraia Bacciotti foi presa, nesta sexta-feira (20), pela Polícia Federal (PF) em Mato Grosso do Sul por envolvimento nos atos criminosos de 8 de janeiro em Brasília.
    Soraia Bacciotti foi presa, nesta sexta-feira (20), pela Polícia Federal (PF) em Mato Grosso do Sul por envolvimento nos atos criminosos de 8 de janeiro em Brasília. / Reprodução

    Um dos alvos dos mandados de prisão preventiva é Raif Gibran Filho.

    No momento em que a Polícia Federal (PF) foi prendê-lo, em Goiás, ele saiu correndo, pulou um muro e conseguiu fugir.

    Os policiais estão tentando capturá-lo novamente.

    Raif Gibran Filho, alvo de um dos mandados de prisão preventiva da Polícia Federal (PF), conseguiu fugir no momento em que seria preso pelos policiais.
    Raif Gibran Filho, alvo de um dos mandados de prisão preventiva da Polícia Federal (PF), conseguiu fugir no momento em que seria preso pelos policiais. / Reprodução

    Em uma rede social, Raif aparece nos atos criminosos de 8 de janeiro convocando as pessoas para participarem dos ataques e xingando aqueles que não estavam na Esplanada dos Ministérios.

    Os mandados de busca e apreensão estão concentrados em SP (sete) e MG (cinco). Também há buscas no RJ, MG, MS e Goiás.

    De acordo com a PF, os alvos da Operação Lesa Pátria podem responder aos crimes de abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de estado, dano qualificado, associação criminosa, incitação ao crime, destruição e deterioração de bem especialmente protegido.

    A Operação Lesa Pátria se torna permanente, com atualizações periódicas. A PF disponibiliza o e-mail denuncia8janeiro@.pf.gov.br para receber denúncias sobre os participantes dos atos criminosos.

    PF do Pará também realiza operação contra participantes

    Em Belém, a PF realiza a Operação Última Batalha, que cumpre oito mandados de busca e apreensão contra seis pessoas que teriam financiado e estimulado caravanas para os atos criminosos.

    Segundo a PF, as investigações começaram a partir de publicações nas redes sociais, que tinham como objetivo de promover uma greve geral com a “tomada” dos Três Poderes.

    Os alvos da operação são quatro mulheres e dois homens. Foram apreendidos nove celulares, dois computadores, dois tablets e documentos.

    Em atualização

    (Publicado por Lucas Schroeder)