Planalto age para encontrar sucessor de Maia na liderança da Câmara

Para isso, Bolsonaro tenta atrair os partidos do centrão com oferta de cargos

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia
Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia Foto: Adriano Machado - 22.mai.2019/ Reuters

Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

A estratégia do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para formar uma base de sustentação parlamentar passa pela eleição para o comando da Câmara dos Deputados, hoje nas mãos de Rodrigo Maia (DEM-RJ), seu desafeto. 

Ao tentar atrair o centrão com a oferta de cargos – que vão de diretorias do Banco do Nordeste a secretarias em ministérios -, Bolsonaro também procura construir uma candidatura à sucessão de Maia.

Nos bastidores, o presidente se movimenta para impulsionar a campanha do deputado Marcos Pereira (SP) nessa disputa, marcada para fevereiro de 2021. 

Vice-presidente da Câmara, Pereira comanda o Republicanos, partido que recentemente abrigou o senador Flávio Bolsonaro e o vereador Carlos Bolsonaro, ambos do Rio de Janeiro. Os dois se filiaram temporariamente, enquanto o Aliança pelo Brasil não consegue as assinaturas suficientes para sair do papel.

Pastor licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, Pereira é um dos postulantes do centrão ao comando da Câmara. A bancada evangélica leva hoje o título de principal avalista de Bolsonaro no Congresso. 

Assista e leia também:
Bolsonaro veta encontro de ministros com Maia
Após troca de farpas com Maia, Bolsonaro e DEM ensaiam reaproximação
Com cutucada em Bolsonaro, Maia divulga ações do Congresso contra COVID-19

Outro candidato que conta com a simpatia do presidente é o deputado Arthur Lira (AL), líder do PP e réu em processo por corrupção passiva. A ideia de Bolsonaro é observar, mais adiante, qual dos dois será fiel a seu projeto e terá mais viabilidade.

Maia e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), não poderão concorrer à reeleição se não houver mudanças de regras. O motivo: a Constituição impede que os presidentes da Câmara e do Senado sejam reconduzidos aos cargos na mesma legislatura. 

Antes da crise do novo coronavírus, no entanto, havia uma articulação nesse sentido, principalmente por parte de Alcolumbre, que encomendou até parecer jurídico. Bolsonaro, por sua vez, está convencido de que precisa construir uma alternativa a Maia. Cabe ao presidente da Câmara autorizar ou não a tramitação de qualquer pedido de impeachment na casa.

Cargos a partidos do centrão

Em outra frente para buscar apoio, o Planalto decidiu apressar a entrega de cargos a partidos do centrão. Porém, Bolsonaro impôs um filtro: os indicados não podem ter trabalhado em administrações do PT. Além disso, o Planalto vai monitorar as redes sociais de todos.

O DEM perderá o comando da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e da Parnaíba (Codevasf), que deve ser entregue ao PP de Lira e do senador Ciro Nogueira (PI). 

Pelo acerto dos últimos dias, o PL de Valdemar Costa Neto ficará com o Banco do Nordeste. O governo também prometeu ao partido de Valdemar a Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária, cargo que formula estratégias de combate à COVID-19. 

O Republicanos, por sua vez, poderá ocupar uma secretaria no Ministério do Desenvolvimento Regional. Pereira foi ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços na gestão de Michel Temer.

Bolsonaro fará uma nova rodada de conversas nos próximos dias. Nesta quarta-feira (22), ele receberá o deputado Baleia Rossi (SP), presidente do MDB. Amanhã, a audiência será com o prefeito de Salvador, ACM Neto, que dirige o DEM.

No domingo, porém, ao participar de manifestação que defendia o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal, o presidente atacou o que chamou de velha política. “Nós não queremos negociar nada. Nós queremos ação pelo Brasil”, disse ele, em cima da caçamba de uma caminhonete, diante do Quartel-General do Exército.

Para o deputado Efraim Filho (PB), líder do DEM na Câmara, as divergências devem ser arquivadas neste momento. 

“Falar em intervenção militar, por um lado, e impeachment, por outro, é um desserviço para o Brasil. Já temos crise de saúde, crise econômica e uma nova crise política não seria bem-vinda”, afirmou ele. “Precisamos de um pacto de união nacional para enfrentar a COVID-19. Não é hora de disputa política, nem de discursos agressivos”, disse Baleia.

Mais Recentes da CNN