Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    PT prevê disputa entre Tebet e Haddad em 2026

    Pode haver uma competição sobre a linha econômica a ser seguida caso a senadora pelo Mato Grosso do Sul assuma o Ministério do Planejamento

    Da CNN

    Fontes do PT ouvidas pela CNN nesta terça-feira (27) temem um início duro de governo de Luiz Inácio Lula da Silva. O motivo é a possível disputa sobre a linha econômica a ser seguida com a dobradinha Fernando Haddad (PT) (mais alinhado à esquerda) na Fazenda e Simone Tebet (MDB-MS) (mais liberal) no Planejamento.

    A informação é da âncora da CNN Daniela Lima.

    “A Simone pode ser o inferno do Fernando. Pode disputar a linha econômica todo dia”, disse uma das fontes do PT consultada pela CNN.

    O futuro ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, disse hoje (27) que Tebet sinaliza que aceitará o convite do presidente eleito para comandar o Ministério do Planejamento.

    “A gente recebeu sinalização positiva”, afirmou Padilha em entrevista coletiva.

    Segundo apurou a CNN com dirigentes do partido, a senadora aceitou abrir mão do controle dos bancos públicos, desde que a iniciativa seja transferida para o Planejamento.

    A articulação tem sido conduzida na manhã desta terça-feira entre o presidente nacional do MDB, Baleia Rossi, e Alexandre Padilha.

    O acordo final, no entanto, só será fechado após encontro entre Tebet e Lula, que deve ocorrer ainda hoje.

    Lula passou a manhã em contato com dirigentes emedebistas na tentativa de chegar a um acordo para que Tebet assuma o Planejamento.

    Terceira colocada na corrida eleitoral para a Presidência da República em 2022, com 4,16% dos votos, Tebet declarou apoio a Lula durante a campanha no segundo turno.

    Defensora de privatizações

    O programa de governo defendido pela senadora Simone Tebet na campanha presidencial virou o principal obstáculo para que o PT aceite transferir o bilionário Programa de Parceria e Investimentos (PPI) para o Ministério do Planejamento.

    Tebet sinalizou que aceitará assumir o Planejamento. O motivo para o obstáculo é que o programa defendido pela senadora difere de pontos-chave defendidos pela transição e pelo PT.

    O documento, por exemplo, defendia a realização no primeiro biênio a privatização das Companhias Docas, cujos portos de Santos, Bahia e Pará já integram a carteira do PPI para serem privatizados. A transição de governo, porém, tem visão oposta.

    O futuro ministro dos Portos e Aeroportos, Marcio França, já se posicionou contrário à privatização em alinhamento com uma posição defendida pelo grupo de trabalho da transição.

    Outro ponto de divergência do programa de Tebet com a transição é que o documento previa uma nova rodada de concessões com a inclusão de grandes aeroportos como Galeão e Santos Dumont — ambos no Rio de Janeiro —, mas a equipe de transição sinalizou que pararia para estudar melhor.

    Tebet também defendeu que leilões de saneamento fossem acelerados, mas o PT deixou claro ter ressalvas ao novo marco legal de saneamento e não descarta revê-lo.

    (*Com informações de Daniela Lima, Gustavo Uribe e Caio Junqueira, da CNN)