Suposto “gabinete paralelo” volta a ser o foco da CPI da Pandemia

Comissão apura ligação do governo federal com a operadora de saúde Prevent Senior

Chico Pradoda CNN

em Brasília

Ouvir notícia

A existência de um suposto “gabinete paralelo” de assessoramento ao presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) durante a pandemia voltou a ser o foco da CPI da Pandemia. Os senadores retomaram esse âmbito da investigação após o surgimento de denúncias contra a Prevent Senior.

Os parlamentares apuram se o caso envolvendo a operadora de saúde contou com a participação do governo federal. O elo para isso seria a médica Nise Yamaguchi, acusada de integrar esse grupo não oficial.

De acordo com o vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), ainda devem ocorrer mais cinco ou seis depoimentos. Portanto, os trabalhos da CPI se estenderiam por mais duas semanas ao menos.

Dois deles já estão confirmados. Na terça-feira (28), a sessão contará com a advogada Bruna Morato, que representa um grupo de médicos que produziram um dossiê com informações sobre possíveis irregularidades na Prevent Senior. E na quarta-feira (29), os parlamentares ouvirão o empresário Luciano Hang.

Segundo o relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), o parecer final estará pronto para ser apresentado logo após o último depoimento.

Mais Recentes da CNN