Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Veja quem são os cotados para assumir a PGR no lugar de Augusto Aras

    Paulo Gonet, Antonio Carlos Bigonha e Aurélio Virgílio Veiga Rios estão entre os cotados para ocupar a vaga

    Douglas Portoda CNN

    em São Paulo

    O mandato de Augusto Aras à frente da Procuradoria-Geral da República (PGR) chega ao fim nesta terça-feira (26).

    Três nomes são cotados para a indicação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT):

    • Paulo Gonet,
    • Antonio Carlos Bigonha,
    • e Aurélio Virgílio Veiga Rios.

    Enquanto não houver a nomeação, a PGR será comandada pela subprocuradora-geral da República Elizeta Ramos, vice-presidente do Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF).

    Interlocutores do Palácio do Planalto disseram à CNN que o novo procurador-geral só deve ser definido após a cirurgia que o presidente fará no quadril na próxima sexta-feira (29).

    Segundo apuração da CNN, a lista tríplice elaborada pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) não deve ser seguida por Lula.

    A lista é composta por:

    • José Adonis Callou de Araújo Sá
    • Luiza Cristina Fonseca Frischeisen
    • Mario Luiz Bonsaglia

    A corrida pela PGR

    Aliados de Lula informaram à CNN que a corrida pela chefia da PGR está afunilada entre o subprocurador-geral da República Antonio Carlos Bigonha e o vice-procurador-geral eleitoral, Paulo Gonet.

    Entretanto, o chefe do Executivo tem indicado que a indefinição sobre o sucessor de Aras tem como principal ingrediente o fato de ele não ter confiança e intimidade suficiente com nenhum dos nomes postos até agora.

    A partir disso, o subprocurador-geral da República Aurélio Virgílio Veiga Rios foi indicado a Lula como uma nova alternativa.

    A indecisão em relação ao próximo procurador-geral ficou evidente durante viagem a Nova York, para a Assembleia-Geral da ONU, na última semana, de acordo com integrantes da comitiva.

    O presidente já havia feito consulta a ministros de sua confiança, como o advogado-geral da União, Jorge Messias, sobre outras possibilidades para a PGR. Foi quando o nome de Veiga Rios surgiu pela primeira vez.

    A indicação agrada petistas pelo currículo do subprocurador, que começou a carreira como assessor de Sepúlveda Pertence — ex-PGR e ex-ministro do Supremo Tribunal Federla (STF) — e tem atuação em pautas ligadas à esquerda, como a defesa de direitos humanos e indígenas.

    Há expectativa de que Lula avalie um encontro com Reis juntamente com uma nova rodada de conversas com os outros cotados.

    Como mostrou o âncora da CNN Gustavo Uribe, Lula planeja novas reuniões com Bigonha e Gonet para aprofundar alguns temas. A indicação reforça a ideia de que o jogo segue aberto, dizem auxiliares do presidente.

    Durante a viagem a Nova York, aliados de Gonet fizeram um amplo movimento para barrar um eventual favoritismo de Bigonha. De acordo com um aliado que fez parte da comitiva, a avaliação é que a estratégia foi bem-sucedida.

    Isso não significa, no entanto, que Gonet passou a ser o principal cotado. A percepção, diz essa fonte, é a de que há indefinição por parte de Lula, o que pode abrir espaço justamente para um terceiro nome.

    Conheça os possíveis indicados:

    Paulo Gonet

    Ministro do TSE Paulo Gonet / Alejandro Zambrana/Secom/TSE

    Paulo Gustavo Gonet Branco é doutor em Direito, Estado e Constituição pela Universidade de Brasília; mestre em Direitos Humanos, pela Universidade de Essex (Reino Unido); e graduado em Direito pela Universidade de Brasília.

    Gonet iniciou sua carreira no Ministério Público Federal (MPF) em 1987. Desde 2012 é subprocurador-geral da República.

    Atualmente, também exerce o cargo de vice-procurador-geral Eleitoral.

    Ainda leciona na Escola de Direito de Brasília (EDB), na Escola Superior do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (ESMPDFT), no Instituto Brasileiro de Ensino (IDP) e na Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU).

    Antonio Carlos Bigonha

    Antonio Carlos Bigonha / Reprodução/Câmara dos Deputados

    Antonio Carlos Alpino Bigonha é graduado em Direito pela Universidade de Brasília e possui mestrado em Música, pela mesma instituição.

    Começou sua carreira no MPF em 1992. Desde 2015 ocupa o cargo de subprocurador-geral da República.

    Também é compositor e pianista.

    Aurélio Rios

    Aurélio Virgilio Veiga Rios, subprocurador-geral da República / Gláucio Dettmar/Agência CNJ

    Aurélio Virgílio Veiga Rios é graduado em Direito pela Universidade de Brasília e mestre em Direito pela Universidade de Bristol (Reino Unido).

    Iniciou sua carreira no MPF como assessor do então procurador-geral da República, Sepúlveda Pertence, entre 1985 e 1987.

    Em 2003 chegou ao cargo de subprocurador-geral da República.

    Veja também: Gilmar alertou PT sobre “risco Janot” com indicação de Bigonha à PGR

    *Com informações de Gustavo Uribe e Pedro Teixeira