Uma pessoa pode tomar mais de uma vacina contra a Covid-19?

Com tantas opções, ainda que não se saiba qual será disponibilizada primeiro, há dúvidas sobre a necessidade de tomar mais de uma vacina para controlar o vírus

Luana Franzão* da CNN, em São Paulo
19 de agosto de 2020 às 06:00
 
Amostra de vacina contra Covid-19 desenvolvida pelo Instituto Gamaleya
Amostra de vacina contra Covid-19 desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, de Moscou
Foto: Fundo Russo de Investimento Direto/Divulgação via Reuters (6.ago.2020)

Desde o início da pandemia da Covid-19, laboratórios do mundo inteiro estão focados na busca de uma vacina que possa imunizar o maior número possível de pessoas.

Atualmente, por volta de seis vacinas estão em fase final de testes, e três delas já estão sendo testadas no Brasil. A chinesa do laboratório Sinovac, a inglesa da parceria entre a Universidade de Oxford e a AstraZeneca, e finalmente, a alemã da farmacêutica Pfizer

A Anvisa anunciou, recentemente, que permitirá testes de uma quarta vacina no país: a produzida pela Janssen, farmacêutica da Johnson & Johnson. 

Por enquanto, não é possível saber qual será a primeira vacina aprovada no mundo. Na busca pela imunização, caso várias recebam o aval de distribuição em um futuro próximo, é indicado que uma pessoa tome mais de uma das vacinas oferecidas?

Segundo o imunologista Gustavo Cabral, um dos coordenadores da pesquisa do projeto de vacina nacional contra a Covid-19 desenvolvido pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), essa não é a escolha ideal, mas o caso da Covid-19 pode ser uma exceção.

“Em teoria, quando você toma uma vacina, não teria necessidade de tomar outra”, afirma o pesquisador. Ele explica que uma vacina deveria induzir o organismo à imunidade, e portanto, seria inútil do ponto de vista da defesa do organismo.

No entanto, a Covid-19 oferece um cenário atípico. Nunca foram desenvolvidas vacinas tão rapidamente – a produção mais veloz, até então, levou cinco anos de desenvolvimento. Como o vírus do SARS-CoV-2 é conhecido há apenas cerca de oito meses, é difícil para a ciência compreendê-lo integralmente. 

Por esse motivo, Cabral esclarece que, no caso do novo coronavírus, a possibilidade de tomar duas vacinas diferentes contra uma mesma enfermidade pode não ser tão absurda. 

Leia e ouça também:
Teste da USP indica vírus da Covid-19 no ar e reforça o perigo da má ventilação
A corrida desenfreada pela vacina pode trazer riscos?
Entenda o papel da vitamina D na prevenção da Covid-19

 

Início dos testes com a vacina CoronaVac
Tomar mais de uma vacina contra a Covid é desnecessário, segundo imunologista
Foto: Governo de SP/Divulgação

Como as técnicas utilizadas em cada projeto são diferentes entre si, uma vacina pode acabar se tornando um complemento para outra: “Uma vacina pode ser melhor para induzir a produção de anticorpos, e outra em induzir outras partes do sistema imunológico, e então uma complementaria a outra”, explicou.

Ainda sim, o pesquisador destacou que o propósito das vacinas é que elas não precisem de outra substância para provocar a imunidade em uma pessoa.

Ele também afirma que não é recomendado que se misturem duas das substâncias sem que haja orientação científica.