Embaixadora interina do Reino Unido visita Pazuello e se diz otimista com vacina

Natália André, da CNN, em Brasília
15 de dezembro de 2020 às 13:52
Embaixadora interina do Reino Unido, Liz Davidson, se reuniu com o ministro da Saúde do Brasil
Foto: Liz Davidson/Twitter/Reprodução


A embaixadora interina do Reino Unido, Liz Davidson, afirmou que está otimista com o futuro em relação à vacina de Oxford. Ela visitou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, nesta terça-feira (15) para falar sobre o novo coronavírus e o SUS.

“Fico muito contente com os resultados dos ensaios clínicos, que contaram com o Brasil. E, agora, é a fase para as agências reguladoras. Para sabermos quando os países vão conseguir receber essas doses”, afirmou Davidson. 

Leia também:

Relatório da MP das vacinas exigirá assinatura de termo de responsabilidade

Covid-19: Capital paulista planeja vacinação em escolas, igrejas e shoppings

Reino Unido identifica nova variante de coronavírus que se espalha mais rápido

Governadores querem união de laboratórios para vacinar 70% da população até maio

A embaixada vem fazendo a ponte do Brasil com a Universidade de Oxford e a farmacêutica inglesa AstraZeneca nas negociações. De acordo com a interina, o acordo do recebimento das primeiras 15 milhões de doses, das 100 milhões, continua em pé. 

Sobre quando o Plano Nacional de Imunização pode entrar em vigor, ela disse que é preciso esperar as reguladoras.

Destaques do CNN Brasil Business:

Inflação faz juro ficar negativo e ter pior rendimento do milênio – e vai piorar

10 ideias de presente para melhorar a vida de quem está em home office

32% dos brasileiros conseguiram economizar em 2020, diz pesquisa da CNI

O ‘SUS do Reino Unido’

O Brasil participa de um programa do governo do Reino Unido, o “Global Better Health Programme”, que pretende fortalecer o SUS, o sistema de saúde básica, especialmente em relação ao uso de dados. 

De acordo com Davidson, nada tem a ver com a pandemia. Essas conversas já aconteciam antes e o programa vai se perpetuar para depois. Com a ação, o Brasil receberá £ 3 milhões, o equivalente a R$ 50 milhões.

O Reino Unido também tem um sistema único e público de saúde. É o NHS (National Health Service). Ele existe há 72 anos e é pago por 66 milhões de britânicos. Muito se falou dele durante a pandemia, por causa do primeiro-ministro, Boris Johnson, que teve a doença e ficou internado na UTI de um dos hospitais do NHS por uma semana.

Em uma de suas redes sociais, Johnson disse que não tinha palavras para descrever a sua gratidão pela existência do NHS. 

"O NHS é o coração pulsante do nosso país. É o melhor que esse país tem. É invencível. É potencializado pelo amor. (...) O NHS salvou a minha vida, sem dúvida", falou.