Secretário de Saúde de SP vê desaceleração no fluxo de internações em UTIs

Fases vermelha e emergencial teriam desencadeado queda no número de novas internações em leitos de UTI, na análise do secretário

Weslley Galzo, da CNN, em São Paulo
24 de março de 2021 às 13:58 | Atualizado 24 de março de 2021 às 14:14
Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde do estado de São Paulo
Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde do estado de São Paulo
Foto: CNN (11.mar.2021)

O secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, avalia que houve um movimento de desaceleração no número de novas internações de pacientes em leitos das Unidades de Terapia Intensiva (UTI), por conta da adoção de medidas restritivas. O estado tem atualmente 92,3% das UTIs ocupadas. 

"Temos 12.442 pacientes internados em UTI. Ontem tínhamos 12.317, portanto um número bem menor do que aqueles que vínhamos acompanhando nas semanas anteriores de quase 300 internados por dia, isso pode sim ser um começo de resultado do faseamento vermelho", disse o secretário em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (24).  

De acordo com dados do governo do estado, o índice de isolamento nos primeiros dias da segunda semana da fase emergencial foi de 43% na segunda-feira (22) e 45% na terça-feira (23). Houve redução da circulação de quase 3 milhões de pessoas em todo o território paulista. 

O secretário disse que o recorde de 1.021 mortes registradas nas últimas 24 horas no estado de São Paulo poderiam estar relacionadas ao atraso na computação dos dados das vítimas junto à plataforma do Ministério da Saúde, assim justificando a alta no número de óbitos em um momento de eventual queda nas internações.

Gorinchteyn também atribuiu o alto número de mortes às mudanças realizadas pelo Ministério da Saúde no sistema Sivep-Gripe, que reúne os indicadores de Covid-19 no país.

"[A] mudança no aporte de dados com incremento de registros como número de CPF, cartão SUS, burocratizou a informação para os próprios municípios. Dessa maneira, burocratizar, sem avisar, fez com que nós não tivéssemos aportado por grande parte dos municípios do país o número real de mortes", disse.

"Dessa maneira, nós tivemos 24,3% de queda no número de óbitos em relação a ontem, só sendo aportados 281 casos, o que chamou bastante a atenção para uma queda tão pronunciada e não esperada nesse momento".

Vacinação 

O estado de São Paulo atingiu nesta quarta-feira (26) a marca de mais de 5 milhões de doses de vacinas aplicadas. Ao todo 5.007.522 doses foram administradas nas pessoas que integram os grupos prioritários do Plano Estadual de Imunização, sendo 3.728.678 paulistas a terem recebido a primeira dose da vacina Coronavac e 1.278.717 completamente vacinados com as duas doses do imunizante.

“Com a ajuda do Butantan e de mais vacinas, o estado de São Paulo seguirá nesse ritmo vacinando a sua população para que a gente tenha dias melhores”, disse Regiane de Paula, coordenadora de Controle de Doenças da Secretaria do Estadual de Saúde. 

“É uma grande vitória. É uma luta diária. Novamente, a vacina do Butantan é a vacina que está nos braços dos paulistas e de todos os brasileiros”afirmou.