MPF pede ao Ministério da Economia medidas urgentes sobre crise de oxigênio

Acre, Rondônia, Mato Grosso, Amapá, Ceará e Rio Grande do Norte estão com desabastecimento crítico

Lucas Janone, da CNN, no Rio de Janeiro
27 de março de 2021 às 11:13 | Atualizado 27 de março de 2021 às 15:04

 

O Ministério Público Federal (MPF) pediu providências urgentes ao Ministério da Economia contra o desabastecimento de oxigênio e medicamentos do “kit intubação” no Brasil. O documento releva que os estados do Acre, Rondônia, Mato Grosso, Amapá, Ceará e Rio Grande do Norte estão em situação crítica com falta de insumos. O prazo de resposta do documento é de três dias. 

O ofício endereçado ao Secretário de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação, Jorge Luiz de Lima, foi assinado por procuradores de São Paulo, Paraíba, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e Sergipe.

“Considerando que a falta do oxigênio hospitalar pode custar milhares de vidas, apontando para necessidade de adotar medidas de contingência, tais como o direcionamento da produção, nesse cenário de crise, para atendimento dos serviços de saúde, reduzindo o abastecimento de alguns setores industriais em casos que não importem risco de segurança”, explica a nota. 

Oxigênio
Ministério Público questiona que medidas vêm sendo adotadas junto à indústria para garantir abastecimento
Foto: Reprodução/CNN

O MPF apontou também que Pará, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul estão em situação de alerta. De acordo com o documento, a solicitação busca evitar que o cenário de colapso presenciado em Manaus, Amazonas, se repita no país. 

A CNN entrou em contato com o Ministério da Economia, mas ainda não obteve resposta.