Ministério da Saúde define ordem de vacinação de profissionais da educação

Pasta também liberou vacinação de pessoas de 18 a 59 anos sem comorbidades em cidades que não tiverem demanda de grupos prioritários

Anna Satie, da CNN em São Paulo
28 de maio de 2021 às 13:10 | Atualizado 28 de maio de 2021 às 13:18
Sala de aula em Salvador (27.abr.2021)
Sala de aula em Salvador (27.abr.2021)
Foto: Reprodução/CNN

Em nota técnica publicada nesta sexta-feira (28), o Ministério da Saúde antecipou e definiu a ordem de prioridade de vacinação dos profissionais da Educação contra Covid-19

Conforme o documento, trabalhadores de creche e pré-escolas serão os primeiros da fila, seguidos pelo ensino fundamental, médio, profissionalizantes e EJA e, por fim, do ensino superior. 

O texto diz que a pandemia ocasionou "importantes impactos sociais" na educação infantil e que a volta das aulas presenciais é uma necessidade.

"Estes impactos seguramente estão sendo mais importantes justamente nos grupos sociais menos favorecidos e que tem, por exemplo, dificuldade ou mesmo inviabilidade para uma adesão ao ensino a distância", diz, acrescentando que as escolas também contribuem para a segurança alimentar das crianças.

"O ambiente escolar traz, no entanto, elevado risco de exposição a vírus respiratórios aos trabalhadores da educação tendo em vista que crianças são habitualmente peças chaves na transmissão destes vírus, o que jusfica a vacinação deste grupo de trabalhadores", continua.

Vacinação de pessas de 18 a 59 anos sem comorbidades

A nota do Ministério diz ainda que há estados e municípios que relataram demanda reduzida da vacinação de grupos prioritários atuais e que, nesses locais, a população geral de 18 a 59 anos, sem comorbidades, pode começar a ser imunizada, em ordem decrescente de idade. 

Entretanto, a pasta orienta que esses lugarem devem garantir o percentual de doses necessárias para continuar a vacinação dos demais grupos preferenciais.

Na última edição do Plano de Operacionalização da Vacina, há 28 grupos que têm prioridade na imunização. São eles: