Nunca fizemos a contenção de variantes adequadamente, diz pesquisador da Fiocruz

Em entrevista à CNN, o infectologista Julio Croda afirmou que medidas restritivas são essenciais para conter a disseminação da variante originária da Índia

Produzido por Layane Serrano, da CNN, em São Paulo
28 de maio de 2021 às 18:19

O infectologista e pesquisador da Fiocruz Julio Croda afirmou nesta sexta-feira (28), em entrevista à CNN, que o Brasil não se preveniu adequadamente contra a disseminação da nova variante da Covid-19 originária da Índia, e avaliou que o país pode sofrer com falta de leitos nas próximas semanas por conta do aumento no número de casos da doença. 

"Nunca fizemos a contenção da introdução de novas variantes adequadamente. As medidas instituídas agora estão muito atrasadas", criticou Croda ao falar sobre as medidas sanitárias adotadas na tentativa de conter a nova cepa. 

Segundo o infectologista, por causa do atraso, o número de casos pode crescer e gerar um colapso no sistema de saúde de algumas cidades e estados. 

"Vamos ver nas próximas semanas cenas lamentáveis como vimos em Manaus, com falta de leitos e filas em unidades de pronto-atendimento, talvez com falta de oxigênio em algumas cidades", afirmou o infectologista. 

Casos pelo Brasil

No Brasil, pelo menos oito casos da nova cepa originária da Índia já foram confirmados pelo Ministério da Saúde: seis no Maranhão, um no Rio de Janeiro e um em Minas Gerais.

Segundo o pesquisador, não há outra solução a adotar nesse momento a não ser medidas mais restritivas. "Nos resta apenas as medidas mais restritivas globais com impactos econômicos, mas extremamente necessárias para a contenção da transmissão do vírus."

O pesquisador da Fiocruz Julio Croda conversou com a CNN sobre as medidas para conter a variante originária da Ínida (28.mai.2021)
Foto: Reprodução / CNN