Adesão à vacina contra poliomielite cai mais de 30% em cinco anos no estado do Rio

No Dia Mundial de Combate a Pólio, celebrado em 24 de outubro, especialistas alertam que doença pode retornar ao Brasil, mesmo tendo sido erradicada há 31 anos

Mylena GuedesIuri Corsinida CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

No dia Mundial de Combate à Poliomielite, celebrado neste domingo (24), chama atenção a baixa adesão à campanha de vacinação contra a doença conhecida como paralisia infantil. No estado do Rio de Janeiro, por exemplo, a cobertura vacinal de crianças de até dois anos de idade despencou mais de 30% em cinco anos.

A imunização nessa faixa etária estava em 88,76% em 2017. Já em 2020, somente 55,20% dos bebês foram vacinados contra o poliovírus, que pode levar à morte. As etapas seguintes de proteção revelam uma realidade ainda mais preocupante, já que a dose de reforço foi aplicada em apenas 49,58% das crianças.

Como a CNN mostrou esta semana, o problema é nacional. Somente 60% das crianças brasileiras de cinco anos, que são o público-alvo para a campanha, receberam a dose da vacina. O índice está 35% inferior ao recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

À CNN, a pediatra e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Isabella Ballalai, explica que a baixa adesão à campanha vacinal não está somente ligada à pandemia, que prejudicou a ida aos postos de vacinação, mas também à negligência em relação à enfermidade.

“As pessoas não acreditam mais no risco da doença. Essa é a única explicação plausível para a baixa cobertura. A VIP (Vacina Inativada Poliomielite) não é vítima de fake news, não é muito falada. Há um relaxamento claro dos brasileiros em relação a vacinação em geral. Para muitos, a vacina deixou de ser prioridade, o que é grave. Hoje a gente tem muita preocupação e o risco de a doença voltar não é baixo”, afirma a especialista.

Apesar de a poliomielite ter sido erradicada no Brasil em 1990, o pediatra e sanitarista Daniel Becker alerta que, se a população continuar sem comparecer aos postos de saúde, casos da doença podem retornar ao território brasileiro. Becker destaca, ainda, a desigualdade social, que faz com que os mais pobres sejam os mais afetados pela doença contagiosa.

“Sempre existe o risco de a doença ressurgir, se não houver uma cobertura vacinal adequada. Imagina a pólio, uma doença mortal e incapacitante, de transmissão fecal oral, portanto, facilitada pelas más condições de saneamento básico, que atingem mais de metade da nossa população, se disseminar num Brasil cada vez mais miserável? É uma tragédia de proporções catastróficas, e claro, sempre em cima dos mais pobres”, ressalta Becker.

O vírus da pólio pode infectar tanto adultos quanto crianças por meio do contato com fezes ou secreções eliminadas pela boca de pessoas contaminadas.

A maioria das infecções não resulta em sintomas, segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), braço da OMS no continente. Entre 5% e 10% dos contaminados podem apresentar quadro semelhante ao provocado por uma gripe comum. No entanto, a doença pode se agravar e causar paralisias musculares, sendo os membros inferiores os mais afetados.

De acordo com o Ministério da Saúde, o último caso de infecção ocorreu em 1989, na Paraíba. A doença segue endêmica no Afeganistão, Paquistão e Nigéria.

O alerta mundial em relação à reintrodução da pólio já foi dado pela agência da Organização das Nações Unidas para a Saúde, após o número de infectados ter crescido nos últimos três anos.

Até o fim de outubro, na campanha nacional de multivacinação, podem se vacinar contra a pólio crianças de até cinco anos, além de viajantes adolescentes e adultos com destino a países onde a doença é endêmica ou onde há risco de transmissão e registro de casos.

Outras doenças

O cenário preocupante de baixa adesão não está restrito à poliomielite. A maior parte das vacinas no calendário infantil foi reduzida para índices entre 70% e 80% de cobertura, segundo dados do Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Questionado pela CNN, o Ministério da Saúde afirmou que desenvolve estratégias necessárias relacionas a imunização das crianças. A pasta destaca que a iniciativa ocorre ao longo de todo o ano, não apenas durante as campanhas, reforçando a informação sobre a segurança e a efetividade das vacinas como medida de saúde pública.

Esta é a última semana para crianças e adolescentes de até 15 anos se vacinarem na campanha de multivacinação, realizada em todos os estados brasileiros.

Entre as vacinas disponíveis nos postos na campanha estão: BCG, Hepatites A e B, Penta (DTP/Hib/Hep B), Pneumocócica 10 valente, VIP (Vacina Inativada Poliomielite), VRH (Vacina Rotavírus Humano), Meningocócica C (conjugada), VOP (Vacina Oral Poliomielite), Febre amarela, Tríplice viral (sarampo, rubéola, caxumba), DTP (tríplice bacteriana), Varicela e HPV quadrivalente (Papilomavírus Humano), dTpa (para gestantes adolescentes), Meningocócica ACWY (conjugada) e dT (difteria e tétano).

Mais Recentes da CNN