Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Além da Covid, fome e escassez de medicamentos podem estar atingindo a Coreia do Norte

    Relator especial da ONU para direitos humanos no país disse que ouviu relatos não confirmados de mortes entre idosos e crianças desnutridas

    Farmácia em Pyongyang, na Coreia do Norte, país que sofre surto de Covid-19 - 16/05/2022
    Farmácia em Pyongyang, na Coreia do Norte, país que sofre surto de Covid-19 - 16/05/2022 Kyodo News via Getty Images

    Paula HancocksYoonjung Seoda CNN

    Ouvir notícia

    Choi Jung-hun sorriu ao ler os últimos números oficiais da Covid-19 da mídia estatal norte-coreana: menos de cinco milhões de casos de “febre” e apenas 73 mortes — uma fração do número de mortos de todos os outros países do mundo.

    “Os norte-coreanos os chamam de estatísticas do elástico”, disse ele, em um aceno para a flexibilidade da capital Pyongyang em tratar a verdade. “É difícil até para a Coreia do Norte saber seus próprios números.”

    Ele fala com alguma autoridade. Choi foi médico por mais de 10 anos na Coreia do Norte, especializado em doenças infecciosas antes de fugir de seu país natal em 2011.

    Ele se lembra do surto de SARS de 2002-2004, quando disse que centenas de pessoas na cidade de Chongjin, no nordeste do país, onde ele trabalhava, começaram a morrer depois de relatar “sintomas de resfriado ou gripe”.

    Médicos como Choi só podiam suspeitar, em particular, que a culpa fosse da SARS. A Coreia do Norte não tinha capacidade de testar a doença, então oficialmente registrou zero infecções. Sua vizinha China registrou mais de cinco mil casos e centenas de mortes.

    Choi também se lembra de lidar com um surto nacional de sarampo em 2006, armado apenas com um termômetro; e uma pandemia de gripe em 2009 em que ainda “mais pessoas morreram do que durante a SARS” — uma situação agravada por uma escassez aguda de medicamentos.

    Em epidemias anteriores, explica Choi, nunca houve incentivo para as autoridades locais viajarem de casa em casa para contar os casos com precisão — eles não tinham máscaras ou luvas e imaginavam que as estatísticas seriam manipuladas pelo regime para atender às suas necessidades.

    Ele assume que pouco mudou desde que partiu e que a história, se não exatamente se repetindo, é pelo menos rimada.

    O que a Coreia do Norte está escondendo?

    Assim como nos surtos anteriores de doenças na Coreia do Norte, uma das maiores preocupações em torno do surto de Covid no país é que a propensão de Pyongyang ao sigilo torna difícil avaliar com precisão sua gravidade.

    As ONGs internacionais e a maioria das embaixadas estrangeiras há muito tempo deixaram o país e as fronteiras bem fechadas impossibilitam o acesso, tornando as contas de desertores como Choi ainda mais importantes.

    Trabalhadores limpam restaurante na capital da Coreia do Norte em março de 2022; país registrou primeiro caso de Covid-19 em maio de 2022 / Kyodo News via Getty Images

    Muitos ficaram surpresos com a decisão de Pyongyang em maio de admitir que estava lidando com um surto, mesmo que a precisão de suas declarações tenha enfrentado ceticismo. No início, o líder Kim Jong Un havia descrito o surto como a “maior turbulência” que já aconteceu no país. Dois meses e milhões de casos suspeitos depois, ele alegou um “sucesso brilhante” em parar a doença.

    O incrível baixo número oficial de mortos que o país relatou inevitavelmente levanta suspeitas de que Pyongyang está tentando esconder um problema maior.

    “Tenho algumas perguntas”, disse o ministro da Unificação da Coreia do Sul, Kwon Young-se, na semana passada, observando que a história divulgada pela mídia estatal do Norte contrasta fortemente com a experiência do resto do mundo.

    Novas variantes da Covid e possível cólera

    O maior medo inicialmente era que um surto em uma população não vacinada e desnutrida com cuidados de saúde primitivos seria catastrófico.

    Tomas Ojea Quintana, relator especial da ONU para direitos humanos na Coreia do Norte, disse que saber a escala do surto é impossível no momento — embora tenha ouvido relatos não confirmados de mortes entre idosos e crianças desnutridas.

    “Pelo menos na minha posição, não sou capaz de contrastar esse medo que tínhamos no início de 2020 sobre as consequências catastróficas do Covid na (Coreia do Norte) e sua situação atual”.

    Também há temores de que novas variantes, possivelmente mais virulentas, possam surgir da transmissão não controlada pela população de cerca de 25 milhões da Coreia do Norte.

    Kee B. Park, neurocirurgião americano que até o início da pandemia visitava a Coreia do Norte duas vezes por ano para trabalhar ao lado de colegas norte-coreanos, treinando-os e realizando cirurgias, disse que o país parecia relutante em compartilhar informações e isso “não era bom para eles (e) não é bom para o resto do mundo.”

    “Temos que compartilhar informações sobre qualquer tipo de nova mudança nas características do vírus, por exemplo, mutações”, disse ele.

    “Precisamos estar cientes do fato de que a alta replicação [do vírus] pode levar a novas variantes. A única maneira de detectar isso é compartilhar informações.”

    Em junho, a Coreia do Norte disse que estava passando por um surto de uma doença intestinal não identificada na província de Hwanghae do Sul, cerca de 120 quilômetros ao sul da capital Pyongyang.

    No mínimo, o anúncio demonstrou a vulnerabilidade do país a surtos de doenças e a falta de medicamentos.

    Park acredita que a Coreia do Norte provavelmente está lidando com um surto de febre tifoide ou cólera.

    “Em algum lugar como a Coréia do Norte, você pode esperar altas taxas de doenças infecciosas. Na verdade, para crianças com menos de cinco anos de idade, as doenças diarreicas são as que mais matam.”

    Um raio de esperança?

    Um raio de esperança para Park foi a capacidade do país de vacinar sua população rapidamente — demonstrada durante seu programa nacional de inoculação para o surto de sarampo de 2006.

    “No primeiro ciclo, eles estavam com uma média de um milhão de injeções por dia, então no segundo ciclo, mais tarde em 2007, eles estavam com uma média de mais de três milhões de injeções por dia”, disse Park.

    “Se todas as condições estiverem corretas, com base nesses números, eles podem vacinar toda a população pelo menos para o primeiro jab em oito dias”.

    Mas qualquer otimismo é temperado pela reticência de um país às vezes chamado de “nação eremita” em aceitar ajuda externa.

    “Eles são socializados para a escassez”, disse Park. “Eles lutaram para fornecer aos hospitais algumas das coisas que damos como garantidas”, ele lembrou de seu tempo trabalhando no país, dizendo que os cirurgiões reutilizavam equipamentos como bisturis até que ficassem sem corte e inutilizáveis.

    Ofertas de ajuda das Nações Unidas, Estados Unidos, Coréia do Sul e outros foram ignoradas.

    Alguma ajuda, no entanto, chegou ao país da China. Dados alfandegários mostram que de janeiro a abril, a Coreia do Norte importou mais de 10 milhões de máscaras, 1.000 ventiladores e mais de 2.000  vacinas não especificadas.

    A aliança global de vacinas Gavi disse no mês passado que entendeu que a Coreia do Norte aceitou as vacinas contra a Covid da China e começou a administrar doses.

    Um porta-voz da Gavi disse à CNN que a Coreia do Norte “ainda não enviou um pedido formal à COVAX para apoio à vacina, mas continuamos prontos para ajudar, caso o façam”.

    O isolamento dos que sofrem de Covid no país foi destacado pelas recentes tentativas de um grupo ativista de desertores de enviar remédios pela zona desmilitarizada – a fronteira de fato entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul.

    Os Fighters to Free North Korea, organização formada na Coreia do Sul, disseram que enviaram grandes balões com suprimentos médicos como Tylenol e vitamina C pela fronteira em junho, bem como alguns com panfletos anti-regime no final de abril.

    Esses voos de balão são contra a lei sul-coreana e foram desencorajados. O ministro da Unificação, Kwon, disse a repórteres que entende “os sentimentos de tais organizações, mas acho que deveriam se abster”.

    Fome e uma segunda ‘marcha árdua’

    Enquanto isso, a doença — seja Covid ou qualquer outra coisa — pode não ser o maior problema enfrentado pelos norte-coreanos.

    Uma desertora, de 44 anos, que mora na Coreia do Sul, disse que foi contatada por sua família no Norte logo após o surto ser relatado. Por outro lado, quando se tratava de Covid, eles estavam mais preocupados com ela — um reflexo da considerável proeza de propaganda de Pyongyang.

    “Eles disseram que [a televisão norte-coreana] relatou que muitas pessoas na Coreia do Sul estavam morrendo de Covid, então estavam preocupadas comigo”, disse ela. “Eles não estavam muito preocupados com o vírus.”

    O que sua família estava extremamente preocupada, no entanto, era a falta de comida.

    “Eles me disseram que a situação alimentar era pior do que durante a Marcha Árdua dos anos 1990… Estou muito preocupada em saber como as coisas eram difíceis (na época).”

    A Marcha Árdua refere-se a um período de fome devastadora quando a economia da Coreia do Norte sofreu um duro golpe com o colapso da União Soviética, que encerrou o fluxo de ajuda ao país.

    Estima-se que centenas de milhares de pessoas, ou até 10% da população do país, morreram de fome. Algumas estimativas colocam o número de mortos ainda mais alto.

    A desertora não perguntou à sua família se alguém está morrendo de fome, pois ela nunca fala sobre nada político durante esses raros contatos com sua família. A possibilidade de que as autoridades estejam ouvindo é muito grande. Ela pediu à CNN para não ser identificada, pois sua família poderia sofrer represálias.

    Mas Quintana, o Relator Especial da ONU, disse que o perigo era muito real e que ele estava pedindo ao regime de Kim e outros envolvidos na Coreia do Norte “que basicamente entendam que há um sério risco de fome na Coreia do Norte”.

    Se Kim provavelmente ouvirá é outra questão.

    A televisão estatal tem feito cobertura do líder norte-coreano visitando farmácias, ordenando que seus militares estabilizem provisões médicas e até doando alguns de seus suprimentos médicos privados no mês passado para a luta contra o surto intestinal ainda não identificado.

    Para Choi, o médico que fugiu da Coreia do Norte em 2011, essas imagens são esperadas quando a verdade é tratada como um elástico. É um show e nada mais, disse ele.

    “As autoridades norte-coreanas não estão lutando, os cidadãos norte-coreanos são os que estão passando por dificuldades… se você sobreviver é ótimo, mas não há nada que possamos fazer se você morrer”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN