Seis estados brasileiros estão próximos do colapso de UTIs para a Covid-19

Entre as capitais, situação mais preocupante é a do Rio de Janeiro, que está com 91% de seus leitos ocupados

Lorena Lara e Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Seis estados brasileiros estão com mais de 80% dos leitos de UTI ocupados e se aproximam do colapso em meio ao novo crescimento nos casos de Covid-19 no país.

Santa Catarina é o estado com a maior lotação em UTIs para pacientes com o novo coronavírus, com 88,3% de suas vagas em uso, de acordo com levantamento da CNN feito a partir de dados das Secretarias de Saúde estaduais.

Em seguida, de acordo com os números compilados até 20h de terça-feira (8), aparecem Paraná (87%), Pernambuco (87%), Espírito Santo (83,6%), Mato Grosso do Sul (82%) e Rio Grande do Sul (81,9%).

Na outra ponta do ranking estão Minas Gerais (23,5%), Mato Grosso (35,9%) e Maranhão (38,2%), os únicos com menos de 40% das vagas em UTI para Covid-19 em uso.

No estado de São Paulo, onde está concentrada a maior quantidade de casos e mortes causadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia, 57,5% dos leitos de UTI para tratamento do novo coronavírus estão ocupados.

Para a médica e diretora presidente da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib), Suzana Lobo, o aumento nos índices de ocupação de leitos pelo Brasil repete o que se viu na primeira onda da pandemia.

Assista e leia também:
Coronavírus: como será o Natal e Réveillon em 2020?
Ocupação de leitos de UTI na rede privada de São Paulo está acima de 80%
Mercado teme que novo fechamento da economia afete retomada

“As taxas aumentaram inicialmente nos hospitais privados e, em seguida, nos hospitais públicos. É evidente que é uma segunda onda.”

Os dados estaduais, no entanto, não refletem a situação de cidades onde a rede de saúde está perto do colapso.

Ao se analisar apenas os números das capitais, a situação mais preocupante é a do Rio de Janeiro, onde 91% dos leitos para pacientes com Covid-19 estavam em uso na noite dessa terça (8). Além disso, os leitos de enfermaria para o novo coronavírus têm 87% de ocupação na capital fluminense.

Os dois índices são maiores do que os registrados em dois momentos críticos para o sistema de saúde carioca, nos dias 3 de junho e 2 de outubro, datas marcadas por recorde de mortes e de novos casos confirmados da doença.

Em 2 de outubro, quando o Rio de Janeiro chegou ao pico de 3.180 novos casos em 24 horas, a ocupação dos leitos de UTI para Covid-19 era de 76,04%, enquanto nos leitos de enfermaria dedicados ao tratamento de pacientes infectados, o índice era de 54,6%.

Em 3 de junho, data em que a cidade chegou ao número recorde de 277 mortes por Covid-19 em 24 horas, a ocupação dos leitos de UTI na rede de saúde era de 87%, enquanto os leitos de enfermaria tinham 55% de ocupação.

Até essa terça-feira, 344 pessoas estavam na fila para internação na rede municipal carioca. Destes, 162 esperavam entrada em leitos de UTI, sendo assistidas em leitos de unidades pré-hospitalares.

Destaques do CNN Brasil Business:
BMW a R$ 24 mil e Pajero a R$ 26 mil: Santander faz leilão de carros na quinta
Ar-condicionado ‘inteligente’ não faz vento e promete gastar 82% menos energia
O dólar está quase voltando para a casa dos R$ 4 – vai cair ainda mais?

Para a presidente da Amib, é importante destacar que há menos leitos no sistema público de saúde do que no sistema privado. “Esse sistema público atende à grande maioria da população brasileira, principalmente no Norte, onde chega a atender 90% das pessoas”, afirmou.

cerca de duas semanas, a taxa de ocupação dos leitos de UTI municipais no Rio era de 79%, segundo números da Secretaria Municipal de Saúde. Exatamente neste período, entre os dias 16 e 21 de novembro as internações em hospitais municipais tiveram um salto, com o índice de ocupação passando de 93%.

Proporção de leitos não garante baixa ocupação

Alguns dos estados com mais 80% de ocupação de leitos de UTI estão entre os que têm as maiores proporções de leitos por 10 mil habitantes.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam que essa proporção esteja entre 1 e 3, enquanto índices abaixo de 1 indicam insuficiência nas estruturas hospitalares.

Dados compilados pela Amib a partir de dados do Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde (CNAES), da Agência Nacional de Saúde (ANS) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que o estado com a sétima maior quantidade de leitos por 10 mil pessoas é Pernambuco (2,56), que atualmente registra 87% de seus leitos ocupados.

Espírito Santo (3,63), Mato Grosso do Sul (3,16), Paraná (2,59), Santa Catarina (2,53) e Rio Grande do Sul (2,32) estão entre as unidades federativas com mais de 80% de UTIs ocupadas e cumprem a proporção de leitos de UTI indicada pelas autoridades de saúde.

Lobo expressou preocupação com a nova alta de casos, mortes e internações por Covid-19 no país.

“Estamos muito preocupados, porque os profissionais de saúde acabaram de sair daquela primeira onda muito cansados, exaustos. Eles ainda precisam de recuperação e suporte emocional. Não houve tempo para isso e já têm que voltar para o front e enfrentar essa segunda onda”, afirmou.

A médica, que observa as experiências vividas por outros países, não espera uma segunda onda da pandemia mais amena do que a primeira.

“A gente tem visto nos outros países que, na verdade, a segunda onda tem sido bastante forte e castigado bastante hospitais de países que têm, inclusive, um grande número de leitos”, destacou.

“O que a gente espera? Sem dúvida nenhuma, a gente tem que se preparar para o pior”, afirmou a especialista.

Mais Recentes da CNN