Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Cochilar regularmente está associado à pressão alta e derrame, segundo estudo

    American Heart Association considera a duração do sono como uma de suas oito métricas essenciais para a saúde ideal do coração e do cérebro

    Foto: Adrian Swancar/Unsplash

    Sandee LaMotteda CNN

    As pessoas que costumam cochilar têm uma chance maior de desenvolver pressão alta e de ter um derrame, aponta um amplo e novo estudo.

    “Isso pode ser porque, embora tirar uma soneca em si não seja prejudicial, muitas pessoas que tiram sonecas podem fazer isso por causa do sono ruim à noite”, disse o psicólogo clínico Michael Grandner em um comunicado.

    Grandner dirige a Behavioral Sleep Medicine Clinic no Banner-University Medical Center em Tucson, nos Estados Unidos, e não esteve envolvido no estudo.

    Os participantes do estudo que normalmente cochilavam durante o dia eram 12% mais propensos a desenvolver pressão alta ao longo do tempo e eram 24% mais propensos a ter um derrame em comparação com pessoas que nunca cochilavam.

    Se a pessoa tinha menos de 60 anos, cochilar na maioria dos dias aumentava o risco de desenvolver pressão alta em 20% em comparação com pessoas que nunca ou raramente cochilam, de acordo com o estudo publicado nesta segunda-feira no Hypertension, um jornal da American Heart Association (AHA).

    A AHA recentemente adicionou a duração do sono como uma de suas oito métricas essenciais para a saúde ideal do coração e do cérebro.

    Os resultados foram confirmados mesmo depois que os pesquisadores excluíram pessoas com alto risco de hipertensão, como aquelas com diabetes tipo 2, pressão alta existente, colesterol alto, distúrbios do sono e que trabalhavam no turno da noite.

    “Os resultados demonstram que cochilar aumenta a incidência de hipertensão e acidente vascular cerebral, após ajustar ou considerar muitas variáveis conhecidas por estarem associadas ao risco de doença cardiovascular e acidente vascular cerebral”, disse Phyllis Zee, diretora do Centro de Medicina Circadiana e do Sono da Northwestern Faculdade de Medicina da Universidade Feinberg em Chicago.

    “Do ponto de vista clínico, acho que destaca a importância de os profissionais de saúde perguntarem rotineiramente aos pacientes sobre cochilos e sonolência diurna excessiva e avaliar outras condições que contribuem para modificar potencialmente o risco de doenças cardiovasculares”, disse Phyllis, que não esteve envolvida no estudo.

    Cochilos mais longos são piores

    O estudo usou dados de 360 mil participantes que forneceram informações sobre seus hábitos de cochilo ao UK Biobank, um grande banco de dados biomédico e recurso de pesquisa que acompanhou os moradores do Reino Unido de 2006 a 2010.

    As pessoas no estudo do Reino Unido forneceram amostras de sangue, urina e saliva regularmente e responderam a perguntas sobre cochilos quatro vezes ao longo dos quatro anos de estudo. No entanto, o estudo coletou apenas a frequência do cochilo, não a duração, e baseou-se em autorrelatos de cochilo, uma limitação devido à memória imperfeita.

    “Eles não definiram o que um cochilo deveria ser. Se você vai dormir por uma hora, duas horas, por exemplo, isso não é realmente um cochilo”, disse o especialista em sono Raj Dasgupta, professor da Keck School of Medicine da University of Southern California.

    “Uma soneca revigorante de 15 a 20 minutos entre meio-dia e 14h é 100% o caminho a percorrer se você estiver com privação de sono”, disse Dasgupta, que não esteve envolvido no estudo. “Se você tem insônia crônica, não incentivamos o cochilo porque tira a vontade de dormir à noite”.

    A maioria das pessoas do estudo que cochilavam regularmente fumava cigarros, bebia diariamente, roncava, tinha insônia e relatou ter hábitos noturnos.

    Muitos desses fatores podem afetar a qualidade e a quantidade de sono de uma pessoa, disse Dasgupta. O sono ruim causa “fadiga diurna excessiva que pode resultar em cochilos excessivos durante o dia”, disse ele.

    “Acredito que cochilar é um sinal de alerta de um distúrbio do sono subjacente em certos indivíduos”, acrescentou. “Os distúrbios do sono estão ligados a um aumento no estresse e nos hormônios de regulação do peso, que podem levar à obesidade, pressão alta, diabetes tipo 2 – todos fatores de risco para doenças cardíacas”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original