MPF apura se foi erro ou atitude deliberada, diz secretário sobre vacinação na Paraíba

De acordo com Geraldo Medeiros, secretário estadual de Saúde, foram identificadas pelo menos 60 crianças que receberam vacinas vencidas e de adultos na cidade de Lucena

Basília RodriguesLucas Rochada CNN

em Brasília e em São Paulo

Ouvir notícia

As primeiras doses de vacinas pediátricas da Pfizer chegaram na Secretaria de Estado da Saúde da Paraíba na sexta-feira (14). As 23.600 vacinas serão enviadas para os 223 municípios paraibanos para a imunização de crianças de 5 a 11 anos.

Em dezembro e em janeiro, crianças foram vacinadas com imunizantes da Pfizer vencidos e com a formulação para uso em adultos no município de Lucena, na Paraíba.

Nesta semana, o Ministério Público Federal (MPF) vai ouvir a técnica de enfermagem acusada de aplicar as vacinas de forma incorreta nas crianças em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) da cidade, antes da chegada das doses pediátricas ao Brasil.

“O que está sendo apurado pelo Ministério Público Federal é se foi um erro ou uma atitude deliberada da auxiliar de enfermagem, que inclusive já foi afastada”, afirmou o secretário estadual de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, em entrevista à CNN neste domingo (16).

“A partir de amanhã, todos os que participaram e têm responsabilidade como o secretário municipal de Saúde, a vigilância municipal e os familiares das crianças e também a aplicadora e o prefeito serão ouvidos pelo Ministério Público Federal no sentido de definir exatamente se houve dolo em relação à aplicação dessas vacinas em crianças”, complementou.

De acordo com o secretário, foram identificadas pelo menos 60 crianças que receberam as vacinas de forma indevida na cidade de Lucena.

“As crianças estão sendo monitoradas pela secretaria estadual de Saúde. Felizmente, apresentaram apenas eventos adversos leves habituais da vacina, como febrícula e dor no local da injeção. Mas estamos acompanhando essas crianças em função dessa atitude indevida da aplicadora”, afirmou.

Mais Recentes da CNN